Temas católicos, Liturgia diária, Salmos, Santos do dia, Mandamentos...

Santos do diaCategory Archives

13/04 – Santa Ida, São Martinho I e São Vítor de Braga

santa-idaSanta Ida

Ida nasceu em 1040, descendente do grande conquistador francês Carlos Magno, filha de Godofredo, duque de Lorraine, e de Doda, também oriunda da nobreza católica reinante. Assim sendo, recebeu educação cristã, mas também teve de cumprir obrigações sociais da corte, e só por esse motivo não seguiu a vida inteiramente dedicada à Deus, vestindo o hábito de religiosa.

Por vontade dos pais, teve de casar-se aos dezessete anos com Eustáquio II, conde de Bolonha, também católico praticante. Juntos, tiveram muitos filhos: Eustáquio III, herdeiro do condado de Bolonha; Godofredo de Bulhão, que conquistou e foi rei de Jerusalém; e Balduíno, que sucedeu o irmão no trono da Terra Santa. Tiveram também filhas, uma das quais tornou-se imperatriz ao casar-se com o imperador Henrique IV.

Entretanto, além da formação nas atividades políticas e sociais, Ida e seu marido educaram todos os filhos dentro dos rigorosos preceitos cristãos. O que surtiu um bom efeito, pois, tornaram-se bons exemplos, promoveram dezenas de obras de caridade, à altura das posses que tinham, socorrendo doentes, pobres abandonados, estrangeiros, viúvas e órfãos.

O grande passatempo de Ida era fazer, com as próprias mãos, as toalhas e enfeites dos altares e ornamentos sacros para os sacerdotes. Enquanto Eustáquio era vivo, o casal restaurou quase todas as igrejas de seus estados e domínios, inclusive o célebre santuário de Nossa Senhora de Bolonha. Seu diretor espiritual era o sacerdote Alberto, naquela época chamado, ainda, de monge de Bec, região da Normandia, porque, mais tarde, também foi elevado aos altares da Igreja.

Ao se tornar viúva, Ida diminuiu sua participação nas atividades sociais, porém na vida da Igreja só fez aumentá-la. Ela vendeu parte de seus bens e fundou vários mosteiros com o dinheiro arrecadado, como o de Santo Wulner de Bolonha; o de Wast, a duas milhas da cidade; o de Nossa Senhora da Capela, perto de Calais; e o mosteiro de Samer, que se encontrava praticamente destruído e arruinado, mas foi totalmente recuperado, voltando à franca atividade nas mãos dos beneditinos.

Há relatos de muitas graças realizadas por ela ainda em vida. Sentindo aproximar-se o fim, santa Ida previu a data exata de sua morte: 13 de abril de 1113. Os milagres e graças por intercessão de seu nome continuaram a acontecer com as crescentes romarias ao seu túmulo. Seu culto foi autorizado para o dia do seu trânsito, em 1808, quando suas relíquias foram transferidas da catedral de Arras para a de Bayeux.

sao-martinho-iSão Martinho I

O papa Martinho I sabia que as conseqüências das atitudes que tomou contra o imperador Constante II, no século VII, não seriam nada boas. Nessa época, os detentores do poder achavam que podiam interferir na Igreja, como se sua doutrina devesse submissão ao Estado. Martinho defendeu os dogmas cristãos, por isso foi submetido a grandes humilhações e também a degradantes torturas.

Martinho nasceu em Todi, na Toscana, e era padre em Roma quando morreu o papa Teodoro, em 649. Eleito para sucedê-lo, Martinho I passou a dirigir a Igreja com a mão forte da disciplina que o período exigia. Para deixar isso bem claro ao chefe do poder secular de então, assumiu mesmo antes de ter sua eleição referendada pelo imperador.

Um ano antes, Constante II tinha publicado o documento “Tipo”, que apoiava as teses hereges do cisma dos monotelistas, os quais negavam a condição humana de Cristo, o que se opõe às principais raízes do cristianismo. Para reafirmar essa posição, o papa convocou, ainda, um grande Concílio, um dos maiores da história da Igreja, na basílica de São João de Latrão, para o qual foram convidados todos os bispos do Ocidente. Ali foram condenadas, definitivamente, todas as teses monotelistas, o que provocou a ira mortal do imperador Constante II.

Ele ordenou a seu representante em Ravena, Olímpio, que prendesse o papa Marinho I. Querendo agradar ao poderoso imperador, Olímpio resolveu ir além das ordens: planejou matar Martinho. Armou um plano com seu escudeiro, que entrou no local de uma missa em que o próprio papa daria a santa comunhão aos fiéis. Na hora de receber a hóstia, o assassino sacou de seu punhal, mas ficou cego no mesmo instante e fugiu apavorado. Impressionado, Olímpio aliou-se a Martinho e projetou uma luta armada contra Constantinopla. Mas o papa perdeu sua defesa militar porque Olímpio morreu em seguida, vitimado pela peste que se alastrava naquela época.

Com o caminho livre, o imperador Constante II ordenou a prisão do papa Martinho I pedindo a sua transferência para que o julgamento se desse em Bósforo, estreito que separa a Europa da Ásia, próximo a Istambul, na Turquia. A viagem tornou-se um verdadeiro suplício, que durou quinze meses e acabou com a saúde do papa. Mesmo assim, ao chegar à cidade, ficou exposto, desnudo, sobre um leito no meio da rua, para ser execrado pela população. Depois, foi mantido incomunicável num fétido e podre calabouço, sem as mínimas condições de higiene e alimentação.

Ao fim do julgamento, o papa Martinho I foi condenado ao exílio na Criméia, sul da Rússia, e levado para lá em março de 655, em outra angustiante e sofrida viagem que durou dois meses. Ele acabou morrendo de fome quatro meses depois, em 16 de setembro daquele ano. Foi o último papa a ser martirizado e sua comemoração foi determinada pelo novo calendário litúrgico da Igreja para o dia 13 de abril.

sao-vitor-de-bragaSão Vítor de Braga

Hoje comemoramos São Vítor de Braga, que nasceu em Paços perto de Braga. A vida desse santo foi escrita pelo arcebispo de Braga, Dom Rodrigo da Cunha, que afirma que um dia o santo encontrou com um grupo de idólatras que celebrava a “Ambaruelia” ou “Suilia”, a grande festa em honra à deusa Ceres. Consiste esta festa em dar várias voltas pelos campos e sacrificar em determinados lugares porcos em honra da deusa. São Vítor recusou-se a tomar parte na festa. Tampouco deixou-se enfeitar com coroas de flores. Foi denunciado ao governador Sérgio, preso, confessou perante o tribunal que era cristão.

Foi amarrado ao tronco de uma árvore e açoitado cruelmente. Depois seu corpo foi queimado com lâminas ardentes até que suas entranhas fossem vazadas.

Sofreu martírio por volta do ano 306.

12/04 – São Júlio

sao-julioSão Júlio

O Martirológio Romano enumera nove santos e oito santas com esse nome e quase todos são mártires do primeiro século do cristianismo. Mas, hoje, celebramos Júlio, o primeiro papa a tomar este nome, e que dirigiu a Igreja de 337 a 352.

Júlio era de origem romana, filho de um certo cidadão chamado Rústico. Viveu no período em que a Igreja respirava a liberdade religiosa concedida pelo imperador Constantino, o Magno, em 313. Essa liberdade oferecia ao cristianismo melhores condições de vida e expansão da religião. Por outro lado, surgiram as primeiras heresias: donatismo, puritanismo na moral,e o arianismo, negando a divindade de Cristo.

Com a morte de Constantino, os sucessores, infelizmente, favoreceram os partidários do arianismo. O papa Júlio I tomou a defesa e hospedou o patriarca de Alexandria, Atanásio, o grande doutor da Igreja, batalhador da fé no concílio de Nicéia e principal alvo do ódio dos arianos, que o tinham expulsado da sede patriarcal. O papa Júlio I convocou dois sínodos de bispos em que, com a condenação do semi-arianismo, Atanásio foi reabilitado, recebendo cartas do papa que se felicitava com a Igreja de Alexandria, baluarte da ortodoxia cristã.

O papa Júlio I construiu várias igrejas em Roma: a dos Santos Apóstolos, a da Santíssima Maria de Trastévere, e três mandou construir nos cemitérios das vias Flavínia, Aurélia e Portuense, respectivamente as igrejas de São Valentim, de São Calisto e de São Félix. Cuidou da organização eclesiástica e da catequese catecumenal, ou seja, dos adultos e mais velhos.

Morreu em 352, após quinze anos de pontificado. Foi sepultado no cemitério de Calepódio, na via Aurélia, numa igreja que ele também havia mandado edificar. Sua veneração começou entre os fiéis a partir do século VII. Suas relíquias, segundo a tradição, foram transladadas para a basílica de São Praxedes a pedido do papa Pascoal I. O seu culto, que já fora autorizado, refloresceu em 1505, quando do seu translado para a basílica da Santíssima Maria de Trastévere, em Roma.

11/04 – Santa Gema Galgani e Santo Estanislau

santa-gema-galganiSanta Gema Galgani

Ao nascer, em 12 de março de 1878, na pequena Camigliano, perto de Luca, na Itália, Gema recebeu esse nome, que em italiano significa jóia, por ser a primeira menina dos cinco filhos do casal Galgani, que foi abençoado com um total de oito filhos. A família, muito rica e nobre, era também profundamente religiosa, passando os preceitos do cristianismo aos filhos desde a tenra idade.

Gema Galgani teve uma infância feliz, cercada de atenção pela mãe, que lhe ensinava as orações e o catecismo com alegria, incutindo o amor a Jesus na pequena. Ela aprendeu tão bem que não se cansava de recitá-las e pedia constantemente à mãe que lhe contasse as histórias da vida de Jesus. Mas essa felicidade caseira terminou aos sete anos. Sua mãe morreu precocemente e sua ausência também logo causou o falecimento do pai. Órfã, caiu doente e só suplantou a grave enfermidade graças ao abrigo encontrado no seio de uma família de Luca, também muito católica, que a adotou e cuidou de sua formação.

Conta-se que Gema, com a tragédia da perda dos pais, apegou-se ainda mais à religião. Recebeu a primeira eucaristia antes mesmo do tempo marcado para as outras meninas e levava tão a sério os conceitos de caridade que dividia a própria merenda com os pobres. Demonstrava, sempre, vontade de tornar-se freira e tentou fazê-lo logo depois que Nossa Senhora lhe apareceu em sonho. Pediu a entrada no convento da Ordem das Passionistas de Corneto, mas a resposta foi negativa. Muito triste com a recusa, fez para si mesma os juramentos do serviço religioso, os votos de castidade e caridade, e fatos prodigiosos começaram a ocorrer em sua vida.

Quando rezava, Gema era constantemente vista rodeada de uma luz divina. Conversava com anjos e recebia a visita de são Gabriel, de Nossa Senhora das Dores passionista, como ela desejara ser. Logo lhe apareceram no corpo os estigmas de Cristo, que lhe trouxeram terríveis sofrimentos, mas que era tudo o que ela mais desejava.
Entretanto, fisicamente fraca, os estigmas e as penitências que se auto-infligia acabaram por consumir sua vida. Gema Galgani morreu muito doente, aos vinte e cinco anos, no Sábado Santo, dia 11 de abril de 1903.

Imediatamente, começou a devoção e veneração à “Virgem de Luca”, como passou a ser conhecida. Estão registradas muitas graças operadas com a intercessão de Gema Galgani, que foi canonizada em 1940 pelo papa Pio XII, que a declarou modelo para a juventude da Igreja, autorizando sua festa litúrgica para o dia de sua morte.

santo-estanislauSanto Estanislau

Estanislau foi martirizado por um amigo, por não tê-lo apoiado contra os preceitos católicos, mesmo na condição de rei. Tão disciplinado era o bispo que exigia essa mesma disciplina de seu rebanho, que nem o cargo soberano do infrator o fez calar-se, pagando por isso com a própria vida.

Estanislau era polonês, nasceu na Cracóvia, em Szczepanowa, no ano 1030. Seus pais eram pobres, mas encontraram nos monges beneditinos uma forma de dar educação moral e espiritual ao filho. Assim, quando terminou os estudos básicos, Estanislau conseguiu seguir e concluir o ensino superior na Bélgica, na célebre Escola de Liège.

Voltando à sua terra natal, sua atuação como sacerdote ficou marcada e registrada pelo zelo pastoral e pelas benéficas iniciativas realizadas com caridade e inteligência. A conseqüência natural foi sua designação para o posto de bispo da Cracóvia pelo papa Alexandre II. Decisão que contou com o apoio não só do clero, como também de toda a população, inclusive do próprio rei Boleslau II.

O rei admirava Estanislau e, nos primeiros anos, apoiou-o no trabalho incansável de evangelização em toda a região, assim como na formação do clero local, o qual preparou para substituir os monges beneditinos na administração da Igreja polonesa. Mas Estanislau também apoiava o rei em suas melhores ações.

Afinal, Boleslau também foi descrito, na história, como um soberano que alargou e consolidou as fronteiras do seu jovem país, além de ter valorizado grandemente as terras de sua pátria, com a reforma fundiária que implantou, acompanhada de mudanças políticas e econômicas muito favoráveis ao povo. Entretanto o rei apaixonou-se por uma bela matrona, Cristina, que era casada com Miecislau, outro nome polonês histórico.

Apesar dos conselhos de Estanislau e de sua exigência de que os preceitos católicos do casamento fossem respeitados, Boleslau não se conformou em ficar sem sua amada. Simplesmente, mandou raptá-la. O bispo ameaçou excomungá-lo, mas o rei não recuou. Estanislau cumpriu a ameaça e Boleslau, enfurecido, ordenou a execução do religioso, comandando em pessoa a invasão da igreja de São Miguel, na Cracóvia, onde Estanislau celebrava uma missa.

Porém os guardas, impedidos por uma força misteriosa, não conseguiram se aproximar do bispo, tendo o rei de assassiná-lo com as próprias mãos. Estanislau foi trucidado no dia 11 de abril de 1079. Imediatamente, passou a ver venerado pelo povo polonês, sendo canonizado em 1253. Seu culto, até hoje, é muito difundido na Europa e na América.

10/04 – São Macário – Bispo

sao-macario-bispoSão Macário – Bispo

Hoje comemoramos o dia de São Macário, nascido na Armênia, no século XI. O Arcebispo de Antioquia seu padrinho de Batismo foi quem o educou, iniciando nos estudos de filosofia e teologia, vindo a ordenasse sacerdote muito cedo, ocupando o lugar de seu tio como bispo de Antioquia.

Seu carisma, Pregar a Palavra, visitar doentes e cuidar dos necessitados, era muito venerado, e renunciou ao cargo de Bispo em favor de Eleutério. Acompanhando de outros irmãos sacerdotes, empreendeu uma peregrinação a Terra Santa. Tendo sido na Palestina, foi preso e torturado pelos mouros. Quando milagrosamente foi libertado passou pela Bélgica e pela Holanda, países que sua memória é muito venerada.

Quando voltava a Antioquia, sua terra natal, morreu socorrendo as vítimas da peste.

Oremos: Deus, nosso Pai, São Macário cumpriu o mandamento do amor: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Pois nisto se resume toda a lei e os profetas.

Em um mundo saturado de idéias, teorias, projetos e denúncias palavrescas, que o nosso amor seja concreto e objetivo.

09/04 – Santa Maria de Cléofas

santa-maria-de-cleofasSanta Maria de Cléofas

¨Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo o que Ele vos disser.¨ Jo 2,5

Festejamos hoje uma mulher do tempo de Jesus: Maria de Cléofas, parente de Nossa Senhora. Ela permaneceu ao lado da mãe de Jesus, no Calvário e mereceu também ser uma das testemunhas privilegiadas da ressurreição. Esposa de Cléofas, foi mãe de Tiago, Apóstolo por Jesus.

Quem medita sobre Maria, Mãe de Jesus, passa, pouco a pouco, a dedicar sua vida toda ao Cristo e aos irmãos.

08/04 – Santa Júlia Billiart

santa-julia-billiartSanta Júlia Billiart

Júlia Billiart nasceu no dia 12 de julho de 1751, em Cuvilly, na França. De origem modesta, desde cedo Júlia revelou-se uma menina especial, privilegiada por Deus – amiga de todos, alegria da família.

Com apenas 8 anos, exerceu com encanto o ministério da catequese e possuía uma maneira especial de narrar e explicar passagens bíblicas, de tal forma que todos os que ouviam admiravam-se de sua profunda convicção quando falava da bondade de Deus.

Ainda não havia completado 20 anos, quando um tiro de fuzil atentou a vida do pai. O susto foi tão grande que traumatizou fortemente a menina, resultando, mais tarde, em paralisia, que ela suportou durante 22 anos, sendo depois milagrosamente curada.

Em 1789, quando irrompeu a Revolução Francesa, Júlia com sabedoria de ser e de pensar, foi perseguida e obrigada a fugir de sua cidade natal para não ser morta.

Em 1793, Compiegne, Júlia teve uma visão: aos pés de uma grande cruz, ela viu um grupo de mulheres vestindo roupas estranhas e escutou uma voz: “Eis as filhas que te darei num Instituto que será marcado com minha cruz”.

Um ano depois, já em Amiens, a providência Divina conduzia Júlia à casa do irmã daquela que seria sua primeira companheira e co-fundadora do Instituto das Irmãs de Notre-Dame – Francisca Blin de Bourbon. “É preciso tornar o Bom Deus conhecido e amado”. Foi o lema que motivava a vida e missão da Santa Fundadora.

Desafiada pelo padre Varin de lançar um Instituto para a educação de crianças pobres, Júlia e suas duas companheiras de missão – Francisca Blin de Bourbon e Catarina Duchântel – numa celabração Eucarística, se consagraram a Deus pelo voto de castidade, prometendo dedicar-se à educação das crianças órfãs e à formação de professores.

Na Bélgica, Júlia foi convidada pelo Bispo a abrir uma casa para sua diocese. A partir daí, aumentaram as fundações de casas, criaram-se escolas. E os pobres são reconhecidos.

Hoje, as Irmãs de Nossa Senhora exercem sua missão em todos os continentes. Estão organizadas em três congregações com administração e economia independentes, mas unidas pelo mesmo carisma fundacional: Proclamar a Bondade de Deus.

07/04 – São João Batista de La Salle

sao-joao-batista-de-la-salleSão João Batista de La Salle

Lembramos hoje, o testemunho santo de João Batista de La Salle, que foi canonizado no ano de 1900 e elevado como patrono principal de todos os mestres e professores. Nascido em 1651 numa pobre família da França, que tinha como reinado, uma certa decadência moral e exclusão dos mais simples.

Desde pequeno, São João foi despertado para duas realidades: a primeira, o chamado ao sacerdócio; a segunda diz respeito a qualidade de vida das crianças e adolescentes. Por ter perdido muito cedo os pais, teve de assumir a educação dos irmãozinhos, sendo assim foi ordenado Sacerdote com 27 anos.

Quanto aos sofrimentos, renunciou tudo e deu aos pobres que precisavam muito mais de carinho, amor e Deus. O santo deste dia, tornou-se o fundador dos Irmãos das Escolas Cristã, conhecido como primeiro instituto de base leiga. Desta forma, La Salle tornou-se precursor do ensino popular generalizado e grande amante dos livros, por isso repetia: “A ciência infla, só a caridade edifica.”

São João Batista de La Salle conseguiu transformar a arte de ensinar e educar em apostolado cristão. Dedicado, orante e com espírito de sacrifício, soube viver e morrer em Cristo, portanto com 69 anos de idade entrou na Eternidade.

São João Batista de La Salle, rogai por nós.

06/04 – Bem-Aventurada Pierina Morosini e São Marcelino

bem-aventurada-pierina-morosiniBem-Aventurada Pierina Morosini

Neste dia, lembramos com alegria a vida de Pierina Morosini, que se tornou para nós exemplo de quem conseguiu alcançar a santidade no dia-a-dia. Mulher exemplar, era operária, ativista da Ação Católica, doméstica e muito engajada na paróquia e ação missionária.

Pierina Morosini nasceu em Bérgamo, Itália, em 1931, numa numerosa e pobre família de aldeia. Ajudava a mãe a cuidar das crianças, pois era a mais velha, mas isto fazia com muito amor sem deixar seu compromisso com o árduo trabalho na fábrica que ficava distante de sua casa.

Santa Maria Goretti era sua Santa de devoção, tanto assim que no segredo partilhou com uma amiga que com ela assistia a beatificação da Santa da Castidade: “Também eu desejaria morrer como a Goretti; antes de pecar contra a castidade, prefiro deixar-me matar!” Com tão grande sinceridade ela desejava a vida na pureza da castidade, que mesmo sem poder consagrou-se numa vida religiosa, devido às necessidades da família, Morosini renovava anualmente sua decisão pela castidade e rezava constantemente: “Ó Maria, sempre jovem porque sempre pura, fazei rejuvenescer meu coração com a beleza da castidade”.

Esta feliz mulher que lembramos hoje, era ocupada com o drama social, familiar; tinha profunda vida de oração e Eucaristia diária. Pierina Morosini certa vez, voltava da fábrica para casa quando foi atacada e martirizada por um jovem que queria seduzi-la e fazê-la pecar contra a Castidade, isto em 1957. Não precisamos pensar que Deus atendeu ao seu desejo de morrer como Goretti, mas sim que lhe deu a força do mesmo Espírito Santo para que fosse fiel até o fim.

Bem-Aventurada Pierina Morosini, rogai por nós!
sao-marcelinoSão Marcelino

Marcelino foi um sábio e dedicado religioso, amigo e discípulo de Agostinho, bispo de Hipona, depois canonizado e declarado doutor da Igreja. Entretanto Marcelino acabou sendo vítima de um dos lamentáveis cismas que dividiram o cristianismo. Foram influências políticas, como o donatismo, que levaram esse honrado cristão à condenação e ao martírio.

Tudo teve início muitos anos antes, em 310. O imperador Diocleciano ordenara ao povo a entrega e queima de todos os livros sagrados. Quem obedeceu, passou a ser considerado traidor da Igreja. Naquele ano, Ceciliano foi eleito bispo de Cartago, mas teve sua eleição contestada por ter sido referendada por um grupo de bispos traidores, os mesmos que entregaram os livros sagrados.

O bispo Donato era um desses e, além disso, tinha uma posição totalmente contrária ao catolicismo ortodoxo. Ele defendia que os sacramentos só podiam ser ministrados por santos, não por pecadores, isto é, gente comum. Os seguidores do bispo Donato, portanto, tornaram-se os donatistas, e a Igreja dividiu-se.

Em Cartago, Marcelino ocupava dois cargos de grande importância: era tabelião e tribuno, funcionando, assim, como um porta-voz da população diante das autoridades do Império Romano. Era muito religioso, ligado ao bispo Agostinho, de Hipona, reconhecido realmente como homem de muita fé e dedicação à Igreja. Algumas obras escritas pelo grande teólogo bispo Agostinho partiram de consultas feitas por Marcelino. Foram os tratados “sobre a remissão dos pecados”, “sobre o Espírito”, e o mais importante, “sobre a Trindade”, porém nenhum deles pôde ser lido por Marcelino.

Quando Marcelino se opôs ao movimento donatista, em 411, foi denunciado como cúmplice do usurpador Heracliano e condenado à morte. Apenas um ano depois da execução da pena é que o erro da justiça romana foi reconhecido pelo próprio imperador Honório. Assim, a acusação foi anulada e a Igreja passou a reverenciar são Marcelino como mártir. Sua festa litúrgica foi marcada para o dia 6 de abril, data de sua errônea execução.

05/04 – São Vicente Ferrer

sao-vicente-ferrerSão Vicente Ferrer

São Vicente Ferrer foi o grande pregador dominicano, nasceu na Espanha, no ano de 1350 e o tema central de suas pregações foi a Volta de Jesus, o Juízo de Deus e a Unidade da Igreja. No tempo em que viveu, a Igreja estava sofrendo com o cisma causado pela forte influência política na Igreja, por isso dois homens eram apontados como Papa.

Vicente, que era conhecido pregador, colocou todas as suas forças em ação, a fim de gerar unidade no seio da Una Igreja de Cristo. Incansável, pregou na Espanha, França, Suíça, Itália e outras regiões que puderam conhecer o Evangelho, arrependerem-se e prepararem-se para a Segunda Vinda do Cristo para julgar a todos.

Graças a Deus, a paz reinou na Igreja, a partir da unidade estabelecida por um Concílio, quando São Vicente Ferrer retomou sua posição e defendeu a eleição do novo Papa. Ele, que faleceu em 1419, pregou com sua vida, palavras de fogo e milagres que atraíam multidões, mesmo quando a peste negra atacou a Europa, deixando um terço da população morta. Mesmo assim, sua voz não pôde abandonar o anúncio da Palavra e um de seus versículos:

“Cultivai o santo temor de Deus e só a Ele dai louvor e glória”.

São Vicente Ferrer, rogai por nós!

04/04 – Santo Isidoro de Sevilha

santo-isidoro-de-sevilhaSanto Isidoro de Sevilha

¨Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá.¨ Jo 11,25
A esperança domina sempre o ambiente verdadeiramente cristão. Hoje é o dia que celebramos Santo Isidoro de Sevilha. Foi um dos maiores homens de toda a história da Espanha – e por que não dizer? – de toda a História da Igreja. Foi chamado até “Pai dos Concílios”.

De fato, dirigiu o IV Concílio, em 683, um dos mais célebres, realizado em Toledo. Foi autor de muitos escritos. E chega a ser considerado o mais conhecido e estimado escritor espanhol da antiguidade. Sua obra parece uma verdadeira enciclopédia daquele tempo. Além de comentar a Bíblia, a Filosofia, a História, o Direito e as Línguas, ainda foi um verdadeiro Santo e incentivador de santos.

“Quem crê em mim, passa pela morte, mas continua vivendo”, diz Jesus.