Temas católicos, Liturgia diária, Salmos, Santos do dia, Mandamentos...

17 de setembro de 2020Daily Archives

17/09 – Santa Hildegarda e São Roberto Belarmino

Santa Hildegarda

Hildegarda, descendente de nobre e riquíssima família alemã, nasceu no castelo de Böckekheim, na bela região do rio Reno, em 1098. Como era o costume na época, aos oito anos de idade foi entregue aos cuidados de religiosas, mais especificamente da abadessa Jutta, do convento das monjas beneditinas. Alí recebeu primeiros fundamentos dos ensinamentos de Cristo, aprendendo o desapego que deveria ter com as coisas e vaidades mundanas.

Assim, depois de conhecer e conviver na comunidade religiosa, Hildegarda pediu para ser aceita entre as beneditinas, ingressando como noviça sem dificuldade alguma. Quando, em 1136 a superiora Jutta morreu, a direção do mosteiro passou para as mãos de Hildegarda. Além deste convento sob seu governo, ela fundou outros dois: em 1147 o de Bingen e, em 1165 o de Eibingen, ambos na Alemanha.

Desde a infância ela apresentava uma personalidade muito carismática e um alto grau de elevação mística. Aos poucos, esses dons acabaram se manifestando como visões, definidas por ela mesma como “lux vivens”, ou seja, luz vivificante. Um dia, Hildegarda ouviu uma voz superior, que ela identificou como do Espírito Santo, ordenando-lhe que escrevesse todas as revelações que lhe eram feitas.

Apesar de não ser letrada, Hildegarda acabou por desenvolver uma grande atividade literária. Por estes dons, acabou adquirindo muito conhecimento sobre medicina e ciências naturais, transmitidos depois por livros precisos que escreveu sobre essas matérias reconhecidos cientificamente. Mas o seu talento enciclopédico se expressou em particular no canto e música. Ela foi talvez a primeira mulher musicista da História da Igreja católica.

O final de sua vida foi muito sofrido e amargurado. Além de estar muito doente, ainda foi vítima de injustiças e mentiras, devido ao seu rigor como superiora séria e disciplinada.
Aos oitenta e dois anos, no dia 17 de setembro de 1179, Hildegarda morreu, no seu convento de Bingen. Pôde, finalmente, ir descansar ao lado do Senhor.

Esta mulher extraordinária, mística beneditina, cientista, conselheira de bispos e imperadores, seguiu influenciando a espiritualidade católica, mesmo depois de sua morte, através de seus escritos, traduzidos em quase todas as línguas do mundo. Fazendo isto desde a Idade Média até os nossos dias. No século XX, em 1921, ainda a influência do seu carisma, inspirou a criação uma nova congregação, a das Irmãs de Santa Hildegarda.

Com a fama de sua santidade reconhecida ainda em vida, fez com que vigorasse um culto expressivo e ininterrupto, mantido entre os fieis do mundo todo. O local de sua sepultura tornou-se um dos centros de peregrinação mais visitado. Santa Hildegarda teve a sua veneração litúrgica autorizada pela Igreja, para ser comemorada no dia de sua morte.

São Roberto Belarmino

São Roberto Belarmino nasceu de uma rica e numerosa família toscana, em Montepulciano no ano de 1542. Sobrinho de um Papa (sua mãe era irmã de Marcelo II), Roberto Belarmino ingressou em 1560 na Companhia de Jesus. Estudou teologia em Pádua e Lovaina e em 1576 tornou-se o primeiro titular da cátedra de apologética isto é, de defesa da ortodoxia católica na Universidade Gregoriana, que naquela época se chamava Colégio Romano. Foi professor de São Luiz Gonzaga. Eleito cardeal e arcebispo de Cápua em 1599.

Era teólogo oficial da Igreja, com a sua doutrina e com o exemplo de sua caridade e simplicidade de vida, que o povo admirava. Foi um homem muito discutido durante a Reforma Católica. Escreveu muitas obras exegéticas, pastorais e ascéticas.

Nos três primeiros anos de vida religiosa sofreu horríveis dores de cabeça que não o impediram de estudar teologia e defender sua própria tese por três dias consecutivos, diante de um público literalmente fascinado. Os compromissos escolásticos nunca o distraíram da oração. De volta a Roma, entre outros encargos teve também o de diretor espiritual, e esteve ao lado de São Luís Gonzaga conduzindo-o até os últimos instantes de vida. Sua vigorosa dialética postas a serviço da doutrina católica valeram-lhe o título de martelo dos hereges, uma obra simples, mas rica de sabedoria como o seu Catecismo mereceu-lhe o título de mestre de tantas gerações de crianças que, nesse livrinho em forma de diálogo, têm aprendido as verdades fundamentais da fé professadas no batismo (foi traduzido em mais de cinqüenta línguas). Dentre várias obras teológicas, escreveu A arte de bem morrer, isto é, o modo de despedir-se da vida com serenidade e desapego.

Morreu a 17 de Setembro do ano 1621 em Roma. Em 1930 teve a tríplice glorificação: bem-aventurado, santo e doutor da Igreja.