20/06 – Margarida Ebner

margarida-ebnerMargarida Ebner

Margarida pertencia à família Ebner, muito rica e respeitada, da aristocracia alemã. Ela entrou no Mosteiro de Maria Santíssima em Medingen, da diocese de Augusta, e tinha apenas quinze anos de idade quando vestiu o hábito dominicano.

Depois, de 1314 até 1326, sofreu diversas e graves enfermidades, as quais quase a levaram ao fim da vida. Mais tarde, por causa da guerra, a comunidade monástica dispersou-se e Margarida voltou para a casa paterna, na qual continuou a viver totalmente reclusa, dedicada à oração e à penitência.

Quando tudo retornou ao normal, ela voltou para a clausura daquele mesmo mosteiro. Em 1332, conheceu o sacerdote Henrique Susso, hoje também santo, que logo se tornou o seu diretor espiritual. As duras provações físicas por que passou lhe proporcionaram adquirir os dons das revelações, das visões e das profecias. Tanto assim que ela escreveu em seu diário que no dia 1o de novembro de 1347 foi recebida em matrimonio espiritual por Jesus.
Margarida Ebner foi, sem dúvida, a figura central do movimento espiritual alemão dos “amigos de Deus”. A sua espiritualidade segue o ano litúrgico e concentra-se na pessoa de Jesus Cristo.

O seu diário espiritual, escrito de 1312 até 1348, que chegou até os nossos dias, revela a vida humilde, devotada, caritativa e confiante em Deus de uma religiosa provada por muitas penas e doenças. Ela que viveu e morreu no amor de Deus, fiel na certeza de encontrar-se em plena comunhão com seu Filho Jesus, como sempre dizia: “Eu não posso separar-me de ti em coisa alguma”. A beleza dessa alma inocente foi toda interior.

A santa humanidade de Jesus foi o divino objeto da sua constante e amorosa contemplação e nela reviveu os vários mistérios no exercício da virtude, no holocausto ininterrupto dela mesma, no sofrimento interno e externo, todo aceito e ofertado com Jesus, para Jesus e em Jesus. Margarida Ebner morreu no dia 20 de junho de 1351, no Mosteiro de Medingen, onde foi sepultada.

Sem dúvida, entre os grandes místicos dominicanos do século XIV, brilha a suave figura desta religiosa de clausura que conquistou o apelido de “Imitadora Fiel da Humanidade de Jesus”. Em 1979, o papa João Paulo II ratificou o seu culto com sua beatificação, cuja festa “ad imemorabili” o mundo católico reverencia no dia do seu trânsito.

Liturgia diária – 19/06/2012

Dia 19 de Junho – Terça-feira

XI SEMANA COMUM* (Verde – Ofício do Dia)

Antífona da entrada: Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador! (Sl 26,7.9)
Oração do dia
Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (1 Reis 21,17-29)
Leitura do primeiro livro dos Reis. 21 17 Então a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita: 18 “Vai; desce ao encontro de Acab, rei de Israel, que mora em Samaria, ei-lo que desce a tomar posse da vinha de Nabot. 19 Dir-lhe-ás: ‘Isto diz o Senhor: Mataste, e agora usurpas!’ – E ajuntarás: ‘Eis o que diz o Senhor: No mesmo lugar em que os cães lamberam o sangue de Nabot, lamberão também o teu’. 20 Acab exclamou: “Encontraste-me de novo, ó meu inimigo?” “Sim!”, respondeu Elias. “Porque te vendeste para fazer o mal aos olhos do Senhor. 21 Farei cair o mal sobre ti, varrer-te-ei, exterminarei da família de Acab em Israel todo varão, seja escravo ou livre. 22 Farei de tua casa o que fiz da de Jeroboão, filho de Nabat, e da de Baasa, filho de Aías, porque me provocaste à ira e arrastaste Israel ao pecado. 23 E eis agora o que diz o Senhor contra Jezabel: ‘Os cães devorarão Jezabel na terra de Jezrael. 24 Todo membro da família de Acab que morrer na cidade será devorado pelos cães, e o que morrer no campo será comido pelas aves do céu’”. 25 Com efeito, não houve ninguém que praticasse tanto o mal aos olhos do Senhor como Acab, excitado como era por sua mulher Jezabel. 26 Levou a abominação ao extremo, seguindo os ídolos dos amorreus, que o Senhor tinha expulsado de diante dos israelitas. 27 Ouvindo estas palavras, Acab rasgou suas vestes, cobriu-se com um saco e jejuou; dormia, envolto no saco e andava a passos lentos. 28 Então a Palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita, nestes termos: 29 “Viste como Acab se humilhou diante de mim? Pois que ele assim procedeu, não mandarei o castigo durante a sua vida, mas nos dias de seu filho farei vir a catástrofe sobre a sua casa”. Palavra do Senhor.
Salmo responsorial 50/51
Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos! Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado e apagai completamente minha culpa!
Eu reconheço toda a minha iniqüidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!
Desviai o vosso olhar dos meus pecados e apagai todas as minhas transgressões! Da morte como pena, libertai-me, e minha língua exaltará vossa justiça!
Evangelho (Mateus 5,43-48)
Aleluia, aleluia, aleluia. Eu vos dou novo preceito: que uns aos outros vos ameis, como eu vos tenho amado (Jo 13,34).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. 5 43 Disse Jesus: “Tendes ouvido o que foi dito: Amarás o teu próximo e poderás odiar teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos perseguem. 45 Deste modo sereis os filhos de vosso Pai do céu, pois ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos. 46 Se amais somente os que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem assim os próprios publicanos? 47 Se saudais apenas vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem isto também os pagãos? 48 Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito”. Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho
A PERFEIÇÃO DO AMOR A exigência de amar os inimigos revolucionou a mentalidade dos discípulos do Reino. O AT recomendava agir com deferência em relação aos inimigos, mormente em certas circunstâncias especiais. A Lei obrigava a reconduzir o boi do inimigo, caso se tivesse desgarrado da manada. Ao inimigo faminto e sedento, dever-se-ia dar comida e bebida. Ninguém poderia alegrar-se com a queda do inimigo. No entanto, não encontramos aí um ensinamento preciso acerca do amar os inimigos. Jesus deu um passo considerável em relação à tradição judaica. O amor evangélico supera o nível do puro sentimento ou o da relação de amizade. Amar consiste em estabelecer uma comunhão profunda com o outro, tornar-se seu intercessor junto do Pai – “Orai por aqueles que vos perseguem e caluniam” -, desejar-lhe, ao saudá-lo, um shalom pleno, ou seja, saúde, prosperidade e bem-estar, e implorar para ele as bênçãos divinas – “Bendizei aqueles que vos maldizem”. O amor recusa-se a nutrir desejos de vingança contra o inimigo. Antes, esforça-se continuamente para fazer-lhe o bem. A motivação do amor ao próximo funda-se no modo de agir do Pai. Quando se trata de fazer o bem às pessoas, ele não as divide entre más e boas, justas e injustas, de forma a conceder benefícios a umas e punição a outras. A perfeição do amor consiste na imitação do modo divino de agir. Por isso, o ideal do discípulo é ser perfeito como o Pai dos céus.
Oração Espírito de amor perfeito, coloca-me no caminho da perfeição do Pai, que ama a humanidade, fazendo o bem a todos os seres humanos, sem distinção.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Sobre as oferendas
Ó Deus, que pelo pão e vinho alimentais a vida dos seres humanos e os renovais pelo sacramento, fazei que jamais falte este sustento ao nosso corpo e à nossa alma.  Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Pai santo, guarda no teu nome os que me deste, para que sejam um como nós, diz o Senhor (Jo 17,11).
Depois da comunhão
Ó Deus, esta comunhão na eucaristia prefigura a união dos fiéis em vosso amor; fazei que realize também a comunhão na vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor.

MEMÓRIA FACULTATIVA

SÃO ROMUALDO (Branco – Ofício da Memória)

Oração do dia: Ó Deus, que por são Romualdo renovastes na vossa Igreja a vida eremítica, concedei-nos renunciar a nós mesmos, e, seguindo Cristo, chegar com alegria ao reino celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Sobre as oferendas: Ó Deus de bondade, que, destruindo o velho homem, criastes em são Romualdo um homem novo segundo a vossa imagem, dai que possamos, igualmente renovados, oferecer este sacrifício de repara. Por Cristo, nosso Senhor.
Depois da comunhão: Fortificados por este sacramento, nós vos pedimos, ó Deus todo-poderoso, que aprendamos com são Romualdo a buscar-vos sempre e acima de tudo e a viver neste mundo a vida nova do cristão. Por Cristo, nosso Senhor.
Santo do Dia / Comemoração (SÃO ROMUALDO):
Romualdo era descendente dos duques de Orseoli e nasceu em Ravena, na Itália, no ano de 956. Sua família não tinha vínculo algum com a religião e por isso o rapaz teve uma vida de prazeres e diversões irresponsáveis até os vinte anos. De repente, ao atingir essa idade, tomou conhecimento de como é fácil desperdiçar uma vida por valores sem sentido. Tudo aconteceu por causa de uma luta mortal.  Sérgio, o pai de Romualdo, travou um duelo com seu melhor amigo e obrigou o filho a assisti-lo. A cena de sangue, da qual seu pai saiu como vencedor e assassino, chocou Romualdo e o fez recolher-se a um convento. Depois de passar algum tempo na França, em contato com a espiritualidade da Abadia de Cluny, retornou à Itália.  Repensou a existência e decidindo-se pela vida monástica, ingressou na Ordem de São Bento. Em pouco tempo, tornou-se um exemplo para todos, mas isso lhe atraiu algumas inimizades. Tanta era sua disciplina, tamanha era sua dedicação, que passou a sofrer oposição de seus irmãos de ordem.  Deixou o convento, indo viver na companhia de Marinho, um eremita famoso. Aperfeiçoou-se tanto no trabalho espiritual que atraiu vários amigos para a vida religiosa. Até o próprio pai acabou se convertendo por causa dele, abandonando tudo para viver na reclusão de um mosteiro. Mais tarde, seu pai também foi canonizado, sendo celebrado como são Severo.  Romualdo fundou vários conventos, sendo o mais famoso deles o de Campo Maldoli, na Toscana, que acabou dando origem à Ordem dos Camaldulenses, criada por ele. Mas sua grande obra foi a reforma da disciplina monástica, que fez os conventos recuperarem os verdadeiros valores cristãos em sua época.  Introduziu uma nova característica na vida dos monges, que além da vida contemplativa consistia na participação ativa dos problemas do seu tempo, como as missões na Boêmia e na Polônia, as peregrinações à Terra Santa, a reforma do clero e muitos outros pontos vitais para a Igreja. Em suas peregrinações espirituais, reformou mosteiros e fundou outros novos em Verghereto, em Lemmo, Roma, Fontebuana, Vallombrosa e em Val de Castro, perto de Fabiano.  Romualdo, pressentindo sua morte, despediu-se dos monges e quis morrer sozinho, o que aconteceu no dia 19 de junho de 1027 no Convento de Val de Castro. Seu túmulo foi local de muitos prodígios e, quando seu corpo foi exumado, cinco anos depois, foi encontrado incorrupto. Venerado pelos devotos, em 1569 o papa Clemente VIII canonizou-o e indicou o dia do seu trânsito para a festa de São Romualdo, o “pai dos monges camaldulenses”.

19/06 – Santa Juliana e São Romualdo

santa-julianaSanta Juliana

Santa Juliana nasceu no ano de 1270, era filha de Caríssimo e Ricordata. Caríssimo era irmão de Santo Alexis Falconieri, um dos fundadores dos Servitas, por sua habilidade comercial tornou-se muito rico, já tinha idade avançada quando nasceu sua filha Juliana, ficando órfã de pai pouco tempo depois de seu nascimento.

Recebeu o hábito de terceira na Congregação dos Servitas, dado por São Felipe Benício, no ano de 1284, tendo sido objeto de admiração de sua mãe e toda a sua família. Fez sua profissão de fé, na presença de São Felipe, que faleceu pouco tempo depois, mais deixando a Congregação toda e particularmente as Irmãs sob seus cuidados.

Com sua devoção a Nossa Senhora, aos sábados comia apenas um pouco de pão e tomava água, passando o dia a contemplar as sete dores de Maria; as sextas-feiras ela consagrava aos mistérios da paixão do Senhor, em honra dos quais se flagelava até o sangue. Essa Congregação foi declarada verdadeira Ordem Religiosa pelo papa Bento XI no ano de 1304, tendo sido superiora. Dormia muito pouco e suas orações duravam quase o dia inteiro tendo obtido a graça e a força para resistir às mais abomináveis tentações. Pacificou discórdias civis, interessando-se pelos pobres e pelos doentes, que ela curava apenas ao contato de suas mãos.

Sua morte causada por uma doença do estômago não a permitia suportar mais alimento algum, nem mesmo a comunhão. Na hora de sua morte, pediu ao Padre Tiago de Campo Regio que lhe trouxesse ao menos o cibório em sua cela; ela se estendeu ao chão, e com os braços em cruz, quis que um corporal fosse estendido sobre o seu peito e que a santa hóstia fosse aí depositada; tão logo foi depositada, desapareceu misteriosamente, e Juliana morreu dizendo: “Meu doce Jesus” era o dia 19 de junho de 1341.

Quando foi feito a toalete fúnebre, encontrou-se sobre o coração da santa, a marca da hóstia como um selo, tendo a imagem de Jesus crucificado. O Senhor que ela tanto desejou receber, escutou-a para além de toda esperança.

As “Mantellate”, trazem sobre o lado esquerdo do escapulário a imagem de uma hóstia, em memória desse milagre.

sao-romualdoSão Romualdo

O abade São Romualdo, pai dos monges camaldulentes, nasceu na Toscana e viveu no final do século X e iníçio do século XI. Chegou a vida religiosa marcado por triste acontecimento: seu pai matara em duelo um parente. Era filho do duque de Ravena.

Após haver professado a regra cisterciense por três anos no mosteiro de Santo Apolinário, não satisfeito com aquela vida, aos vinte e três anos, obteve a licença de viver a vida eremítica, e foi para as colinas do Vêneto, em companhia do eremita Marino, lá teve notícia do cebório dos Pireneus de São Miguel de Cuixá e resolveu seguir esta aventura espiritual, acompanhado do veneziano Pedro Orseolo, que tornou-se santo. Passaram-se 10 anos, dando ao cenóbio espanhol orientação eremítica.

Fundou depois o mosteiro de Campo Maldoli, dando origem assim à Ordem Camaldulense, procurando conciliar vida de solidão absoluta e vida comunitária. Conseguiu convencer seu pai a fazer-se monge, São Severo. Em suas aventuras espirituais, reformando mosteiros e fundando outros novos em Verghereto, em Lemmo, Roma, Fontebuana, Vallombrosa e em Val de Castra, perto de Fabiano.

São Romualdo, ao pressentir a morte, no dia 19 de junho de 1027, despediu-se de cada um dos monges e quis morrer sozinho. No dia 7 de fevereiro de 1481, seus despojos foram transportados para Fabiano, sendo marcado essa data também para sua festa litúrgica.

Liturgia diária – 18/06/2012

Dia 18 de Junho – Segunda-feira

XI SEMANA COMUM (Verde – Ofício do Dia)

Antífona da entrada: Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador! (Sl 26,7.9)
Oração do dia
Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (1 Reis 21,1-16)
Leitura do primeiro livro dos Reis. 21 1 Passado tudo isso, aconteceu o seguinte: Nabot de Jezrael possuía uma vinha nessa cidade, ao lado do palácio de Acab, rei de Samaria. 2 Acab disse a Nabot: “Cede-me tua vinha, para que eu a transforme numa horta, porque está junto de minha casa. Dar-te-ei em troca uma vinha melhor, ou se o preferires, pagar-te-ei em dinheiro o seu valor”. 3 Nabot, porém, respondeu a Acab: “Deus me livre de ceder-te a herança de meus pais!” 4 Acab voltou para a sua casa sombrio e irritado, por ter Nabot de Jezrael recusado ceder-lhe a herança de seus pais. Estendeu-se na cama com o rosto voltado para a parede, e não quis comer. 5 Jezabel, sua mulher, veio ter com ele e disse-lhe: “Por que estás de mau humor e não queres comer?” 6 Ele respondeu: “Falei a Nabot de Jezrael, propondo-lhe que me vendesse a sua vinha, ou, se o preferisse, que a trocasse comigo por outra melhor; mas ele respondeu-me: Não te cederei a minha vinha”. 7 Jezabel, sua mulher, disse-lhe: “Não és tu, porventura, o rei de Israel? Vamos! Come, não te incomodes. Eu te darei a vinha de Nabot de Jezrael”. 8 Escreveu ela, então, uma carta em nome do rei, selou-a com o selo real, e mandou-a aos anciãos e aos notáveis da cidade, concidadãos de Nabot. 9 Eis o que dizia na carta: “Promulgai um jejum, fazei sentar Nabot num lugar de honra, 10 e mandai vir diante dele dois homens inescrupulosos que o acusem, dizendo: ‘Este amaldiçoou a Deus e ao rei. – Conduzi-o em seguida para fora da cidade e apedrejai-o até que morra!’” 11 Os homens da cidade, os anciãos e os notáveis, concidadãos de Nabot, fizeram o que ordenava Jezabel, segundo o conteúdo da carta que lhes tinha mandado. 12 Promulgaram um jejum e fizeram Nabot sentar-se num lugar de honra. 13 Vieram então os dois miseráveis, colocaram-se diante dele e fizeram publicamente a deposição seguinte contra ele: “Nabot amaldiçoou a Deus e ao rei”. Depois disto, levaram-no para fora da cidade, onde foi apedrejado e morreu. 14 E mandaram dizer a Jezabel: “Nabot foi apedrejado e morto”. 15 Quando ela soube que Nabot fora apedrejado e morto, foi dizer a Acab: “Vai e toma posse da vinha que Nabot de Jezrael te recusara vender. Ele já não vive; está morto”. 16 Acab, tendo ouvido dizer que Nabot morrera, levantou-se e dirigiu-se para a sua vinha, para tomar posse dela. Palavra do Senhor.
Salmo responsorial 5
Atendei o meu gemido, ó Senhor! Escutai, ó Senhor Deus, minhas palavras, atendei o meu gemido! Ficai atento ao clamor da minha prece, ó meu rei e meu Senhor!
Não sois um Deus a quem agrade a iniqüidade, não pode o mau morar convosco; nem os ímpios poderão permanecer perante os vossos olhos.
Detestais o que pratica a iniqüidade e destruís o mentiroso. Ó Senhor, abominais o sanguinário, o perverso e enganador.
Evangelho (Mateus 5,38-42)
Aleluia, aleluia, aleluia. Vossa palavra é uma luz para os meus passos e uma lâmpada luzente em meu caminho (Sl 118,105).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. 5 38 Disse Jesus:”Tendes ouvido o que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39 Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra. 40 Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, cede-lhe também a capa. 41 Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. 42 Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado”. Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho
CONTRA A RETALIAÇÃO A Lei de Talião – “olho por olho, dente por dente” – não encontrou guarida no ensinamento de Jesus. Aquele princípio legal havia sido importante para coibir as arbitrariedades no caso de violência ilimitada, para fazer valer o direito. E funcionava como mecanismo de controle da selvageria e do barbarismo, nas relações interpessoais. Era um passo em direção às relações humanas civilizadas. O discípulo do Reino submete-se a uma lógica diferente. Recusa-se a entrar no jogo do malvado, de forma a desarticular, no seu nascedouro, a espiral da violência. Responde o mal com o bem, não se valendo do que lhe garante o direito. O direito de retaliação é substituído pelo princípio da misericórdia no trato mútuo. A reação paradoxal que Jesus sugeriu aos seus discípulos, diante da violência, tem uma finalidade concreta: mostrar as possibilidades extremas de aplicação do seu ensinamento. Quem é movido por um amor incondicional ao próximo, descentrando-se de si mesmo, será capaz de fazer gestos radicais para coibir a violência, sem responder com a mesma moeda. O discípulo, na linha das Bem-aventuranças, caracteriza-se como manso e pacífico. Por ser manso, recusa-se terminantemente a recorrer à violência. Por ser pacífico, tudo faz para que os laços com o próximo não sejam rompidos. Mesmo à custa de gestos paradoxais!
Oração Espírito de mansidão, torna-me capaz de não me deixar levar pelo desejo de vingança, diante da violência, e sim, de agir conforme o ensinamento de Jesus.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Sobre as oferendas
Ó Deus, que pelo pão e vinho alimentais a vida dos seres humanos e os renovais pelo sacramento, fazei que jamais falte este sustento ao nosso corpo e à nossa alma.  Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Pai santo, guarda no teu nome os que me deste, para que sejam um como nós, diz o Senhor (Jo 17,11).
Depois da comunhão
Ó Deus, esta comunhão na eucaristia prefigura a união dos fiéis em vosso amor; fazei que realize também a comunhão na vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor.

18/06 – São Gregório Barbarigo

sao-gregorio-barbarigoSão Gregório Barbarigo

O Santo de hoje nasceu no ano de 1625 em Veneza, numa nobre família que lhe proporcionou ótima formação ao ponto possuir a profissão de diplomata europeu. São Gregório Barbarigo tinha toda uma próspera carreira diplomática, mas teve a graça e coragem de abandonar tudo por causa do chamado ao Sacerdócio. Com profunda ligação ao Papa Alexandre VII, São Gregório foi ecolhido pelo mesmo, como assessor, pois tinha muitas qualidades morais e intelectuais.

Nomeado bispo de Bérgamo fez um lindo trabalho pastoral na sua diocese, e da mesma forma se esforçou, para com Deus evangelizar em Pádua, onde foi transferido, a fim de reorganizar os estudos e reativar o seminário.

Na diocese de Pádua São Gregório Barbarigo primou pelo saber e formação do clero, já que, como ninguém, havia interiorizado as conclusões do Concílio de Trento. Promoveu a cultura científica e religiosa em todos os meio possíveis, a fim de ganhar não só Católicos, mas a todos para Cristo, até que fadigado pela missão morreu de tanto trabalho com 72 anos.

Liturgia diária – 17/06/2012

Dia 17 de Junho – Domingo

XI SEMANA COMUM (Verde – Ofício do Dia)

Antífona da entrada: Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador! (Sl 26,7.9)
Oração do dia
Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (Ezequiel 17,22-24)
Leitura da profecia de Ezequiel. 17 22 Eis o que diz o Senhor: Pegarei eu mesmo da copa do grande cedro, dos cimos de seus galhos cortarei um ramo, e eu próprio o plantarei no alto da montanha. 23 Eu o plantarei na alta montanha de Israel. Ele estenderá seus galhos e dará fruto; tornar-se-á um cedro magnífico, onde aninharão aves de toda espécie, instaladas à sombra de sua ramagem. 24 Então todas as árvores dos campos saberão que sou eu, o Senhor, que abate a árvore soberba, e exalta o humilde arbusto, que seca a árvore verde, e faz florescer a árvore seca. Eu, o Senhor, o disse, e o farei. Palavra do Senhor.
Salmo responsorial 91/92
Como é bom agradecermos ao Senhor. Como é bom agradecermos ao Senhor e cantar salmos de louvor ao Deus altíssimo! Anunciar pela manhã vossa bondade e o vosso amor fiel à noite inteira.
O justo crescerá como a palmeira, florirá igual ao cedro que há no Líbano; na casa do Senhor estão plantados, nos átrios de meu Deus florescerão.
Mesmo no tempo da velhice darão frutos, cheios de seiva e de folhas verdejantes; e dirão: “É justo mesmo o Senhor Deus: meu rochedo, não existe nele o mal!”
Leitura (2 Coríntios 5,6-10)
Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios. 5 6 Por isso, estamos sempre cheios de confiança. Sabemos que todo o tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor. 7 Andamos na fé e não na visão. 8 Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto do Senhor. 9 É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe. 10 Porque teremos de comparecer diante do tribunal de Cristo. Ali cada um receberá o que mereceu, conforme o bem ou o mal que tiver feito enquanto estava no corpo. Palavra do Senhor.
Evangelho (Marcos 4,26-34)
Aleluia, aleluia, aleluia. Semente é de Deus a palavra, Cristo é o semeador; todo aquele que o encontra, vida eterna encontrou (Lc 8,11).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos. 4 26 Disse Jesus: “O Reino de Deus é como um homem que lança a semente à terra. 27 Dorme, levanta-se, de noite e de dia, e a semente brota e cresce, sem ele o perceber. 28 Pois a terra por si mesma produz, primeiro a planta, depois a espiga e, por último, o grão abundante na espiga. 29 Quando o fruto amadurece, ele mete-lhe a foice, porque é chegada a colheita. 30 Dizia ele: A quem compararemos o Reino de Deus? Ou com que parábola o representaremos? 31 É como o grão de mostarda que, quando é semeado, é a menor de todas as sementes. 32 Mas, depois de semeado, cresce, torna-se maior que todas as hortaliças e estende de tal modo os seus ramos, que as aves do céu podem abrigar-se à sua sombra”. 33 Era por meio de numerosas parábolas desse gênero que ele lhes anunciava a palavra, conforme eram capazes de compreender. 34 E não lhes falava, a não ser em parábolas; a sós, porém, explicava tudo a seus discípulos. Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho

Estas duas parábolas, introduzidas por “Jesus dizia-lhes…”, encerram o breve discurso de Jesus. Com imagens tiradas do mundo rural, destaca-se a ação da “semeadura”, ou seja, o anúncio da Palavra. A primeira parábola, exclusiva de Marcos, evidencia que o crescimento do Reino resulta da ação de Deus. Embora o agricultor tenha empenho e cuidados em semear, irrigar e remover ervas daninhas, é admirável o germinar da semente, de maneira autônoma, o seu crescer e os frutos produzidos. O desabrochar da vida é obra de Deus. Assim, é Deus quem, na intimidade de cada um, move à conversão ao amor os corações que recebem a Palavra semeada pelos discípulos. A tradição de Israel expressa pelo profeta Ezequiel (primeira leitura) colocava sua esperança em atingir, sobre o monte Sião, a estatura grandiosa dos majestosos cedros do Líbano. Contudo, Jesus descarta esta imagem, substituindo-a pela hortaliça mostarda, que, sem grandiosidade, se multiplica às margens do Mar da Galiléia. Assim também é admirável, na segunda parábola, como algo tão pequeno como a semente de uma mostarda se transforme em um arbusto, podendo atingir até três metros de altura, com capacidade para abrigar os pássaros do céu na sombra de galhos. Com imagens tão simples e belas da natureza, compreende-se que Deus comunica sua vida a todos, sem discriminações, não havendo ninguém que possa impedi-lo. Ainda mais, o que parece insignificante hoje está a caminho de sua plena realização. Aos discípulos é esclarecido o sentido das parábolas. “Discípulos” são aqueles, dentre a multidão, que abrem seu coração às palavras de Jesus e se aproximam dele, formando comunidade. Comunidade não hermética, de iluminados, mas aberta, de corações acolhedores, solidários e compassivos. A segunda leitura, da Segunda Carta aos Coríntios, atribuída a Paulo apóstolo, ainda traz as marcas de uma visão dualista na qual o corpo é descartável, com a condenação de uns e salvação de outros.

(O comentário litúrgico é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)

Sobre as oferendas
Ó Deus, que pelo pão e vinho alimentais a vida dos seres humanos e os renovais pelo sacramento, fazei que jamais falte este sustento ao nosso corpo e à nossa alma.  Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Ao Senhor eu peço apenas uma coisa e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida (Sl 26,4).
Depois da comunhão
Ó Deus, esta comunhão na eucaristia prefigura a união dos fiéis em vosso amor; fazei que realize também a comunhão na vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor.

Liturgia diária – 16/06/2012

Dia 16 de Junho – Sábado

IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA (Branco, Prefácio de Maria – Ofício da memória)

Antífona da entrada: Meu coração exulta porque me salvais. Cantarei ao Senhor pelo bem que me fez (Sl 12,6).
Oração do dia
Ó Deus, que preparastes morada digna do Espírito Santo no imaculado coração de Maria, concedei que, por sua intercessão, nos tornemos um templo da vossa glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (Isaías 61,9-11)
Leitura do livro do profeta Isaías. 61 9 Sua raça tornar-se-á célebre entre as nações, e sua descendência entre os povos: todos, vendo-os, reconhecerão que são a abençoada raça do Senhor. 10 Com grande alegria eu me rejubilarei no Senhor e meu coração exultará de alegria em meu Deus, porque me fez revestir as vestimentas da salvação. Envolveu-me com o manto de justiça, como um neo-esposo cinge o turbante, como uma jovem esposa se enfeita com suas jóias. 11 Porque, quão certo o sol faz germinar seus grãos e um jardim faz brotar suas sementes, o Senhor Deus fará germinar a justiça e a glória diante de todas as nações. Palavra do Senhor.
Salmo responsorial 1Sm 2
Meu coração se regozija no Senhor.
Exulta no Senhor meu coração e se eleva a minha fronte no meu Deus; minha boca desafia os meus rivais porque me alegro com a vossa salvação.
O arco dos fortes foi dobrado, foi quebrado, mas os fracos se vestiram de vigor. Os saciados se empregaram por um pão, mas os pobres e os famintos se fartaram. Muitas vezes deu à luz a que era estéril, mas a mãe de muitos filhos definhou.
É o Senhor quem dá a morte e dá a vida, faz descer à sepultura e faz voltar; é o Senhor quem faz o pobre e faz o rico, é o Senhor quem nos humilha e nos exalta.
O Senhor ergue do pó o homem fraco, do lixo ele retira o indigente, para fazê-los assentar-se com os nobres num lugar de muita honra e distinção.
Evangelho (Lucas 2,41-51)
Aleluia, aleluia, aleluia. Bendita é a virgem Maria, que guardava a palavra de Deus, meditando-a no seu coração (Lc 2,19).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. 2 41 Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém para a festa da Páscoa. 42 Tendo ele atingido doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. 43 Acabados os dias da festa, quando voltavam, ficou o menino Jesus em Jerusalém, sem que os seus pais o percebessem. 44 Pensando que ele estivesse com os seus companheiros de comitiva, andaram caminho de um dia e o buscaram entre os parentes e conhecidos. 45 Mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém, à procura dele. 46 Três dias depois o acharam no templo, sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 47 Todos os que o ouviam estavam maravilhados da sabedoria de suas respostas. 48 Quando eles o viram, ficaram admirados. E sua mãe disse-lhe: “Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição”. 49 Respondeu-lhes ele: “Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai?” 50 Eles, porém, não compreenderam o que ele lhes dissera. 51 Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração. Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho

No Evangelho de Lucas prevalece o sentido teológico sobre o sentido histórico do texto. Situando Jesus em Jerusalém, na sua infância, e, depois, estabelecendo o dom do Espírito Santo também nesta cidade, Lucas sugere que as novas comunidades são continuidade do antigo Israel. Jesus, com a idade de iniciação às observâncias do judaísmo, mostra autonomia tanto em relação à família, seus pais, quanto ao sistema do templo. A sua missão é estar naquilo que é de seu Pai. Era a festa de Páscoa na qual se fazia a memória do êxodo. Da mesma forma, em uma festa de Páscoa Jesus será morto. O êxodo de Jesus é a saída da instituição judaica para a comunicação do amor universal de Deus ao mundo, com o dom da vida eterna.

(O comentário litúrgico é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)

Sobre as oferendas
Acolhei, ó Deus, as preces e oferendas que vos apresentamos em honra de Maria, mãe de Jesus Cristo, vosso filho. Que elas vos sejam agradáveis e nos tragam o vosso perdão.  Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Maria guardava todas estas palavras, meditando-as no seu coração (Lc 2,19.
Depois da comunhão
Tendo participado, ó Deus, da redenção eterna na festa da mãe de Jesus, concedei-nos crescer em vossa graça até a plenitude da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

16/06 – Santa Lutgarda, Santos Julita e Ciro e São Francisco Régis

santa-lutgardaSanta Lutgarda

Nasceu em Tongres – Holanda no ano de 1182. Morreu aos 64 anos de idade, no dia 16 de junho de 1246, no convento de Aswieres.

Espiritualidade Uma das místicas mais notáveis dos séculos doze e treze. Aos doze anos foi recomendada às monjas beneditinas do convento de Santa Catarina. Teve a graça de compartilhar, misticamente, o sofrimento de Nosso Salvador, quando meditava sobre Sua Paixão; nessas ocasiões, apareciam sobre sua fronte pequenas gotas de sangue. Sentia como próprias as dores dos seres humanos. Fazia doze anos que Lutgarda vivia na convento de Santa Catarina, quando sentiu chamada a prosseguir as regras mais estritas dos cistercienses. Decidiu entrar à casa do Cister em Aywieres. Deus lhe concedeu poderes para curar enfermidades, para profetizar e conhecer, o significado das Sagradas Escrituras. Onze anos antes de morrer perdeu a visão, assumiu estê dor com a alegria, entendendo-a como uma graça de Deus para desprendê-la mais do mundo visível. A Beata Maria de Oignies assegurava que nada havia tão eficaz para conseguir a conversão dos pecadores e a libertação das almas do purgatório, como as orações de Santa Lutgarda. Faleceu a noite anterior à festa da Santíssima Trindade, precisamente quando começava o ofício noturno para no domingo.

Padroeiro: Intercessora das almas do purgatório e conversões.

santos-julita-e-ciroSantos Julita e Ciro

Julita vivia na cidade de Icônio, na Licaônia, atualmente Turquia. Ela era uma senhora riquíssima, da alta aristocracia e cristã, que se tornara viúva logo após de dado à luz a um menino. Ele foi batizado com o nome de Ciro, mas também atendia pelo diminutivo Ciriaco ou Quiriaco. Tinha três anos de idade, quando o sanguinário imperador Diocleciano, começou a perseguir, prender e matar cristãos.

Julita levando o filhinho Ciro e algumas servidoras, fugiu para a Selêucia e em seguida para Tarso, mas ali acabou presa. O governador local, um cruel romano chamado Alexandre, tirou-lhe o filho dos braços e passou a usa-lo como um elemento a mais à sua tortura. Colocou-o sentado sobre seus joelhos, enquanto submetia Julita ao flagelo na frente do menino, com o intúito que renegasse a fé em Cristo.

Como ela não obedeceu, os castigos aumentaram. Foi então que o pequenino Ciro saltou dos joelhos do governador, começou a chorar e a gritar junto com a mãe: “Também sou cristão! Também sou cristão!”. Foi tamanha a ira do governador que ele com um pontapé empurrou Ciro violentamente fazendo-o rolar pelos degraus do tribunal, esmigalhando-lhe assim o crânio.

Conta-se que Julita ficou imóvel, não reclamou, nem chorou, apenas rezou para que pudesse seguir seu pequenino Ciro no martírio e encontrá-lo, o mais rápido possível, ao lado de Deus. E foi o que aconteceu. Julita continuou sendo brutamente espancada e depois foi decapitada. Era o ano 304.

Os corpos foram recolhidos por uma de suas fieis servidoras e sepultados num túmulo que foi mantido oculto até que as perseguições cessassem. Quando isto aconteceu, poucos anos depois, o Bispo de Icônio, Teodoro, resolveu com a ajuda de testemunhas da época e documentos legítimos reconstruir fielmente a dramática história de Julita e Ciro. E foi assim, pleno de autenticidade que este culto chegou aos nossos dias.

Ciro tornou-se o mais jovem mártir do cristianismo, precedido apenas dos Santos Mártires Inocentes, exterminados pelo rei Herodes em Belém . Por isto, é considerado o Santo padroeiro das crianças que sofrem de maus tratos. A festa de Santa Julita e São Ciro é celebrada pela Igreja no dia 16 de junho, em todo o mundo católico.

sao-francisco-regisSão Francisco Régis

São Francisco Régis, nasceu no dia 31 de janeiro de 1597, na vila de Francouverte, nas proximidades de Barbone, França. Iniciou sua vida cristã na Companhia de Jesus no ano de 1616. Foi ordenado sacerdote no ano de 1630 e partiu para Vivarais, Velay e Cevennes. Dedicou-se ardorosamente na catequese das crianças e na pregação do Evangelho ao povo. Estava sempre junto com as pessoas simples, mostrando para elas uma predileção especial. Não conseguindo viver sem elas.

Suas visitas sistemáticas as prisões e os hospitais, dando assistência aos necessitados. Foi para Viviers em 1633, conturbado centro calvinista. Pelo exemplo de vida e pela oração, levou muitos a abraçarem a fé. Foi para Velay no ano de 1635, e procurou organizar um certo tipo de pastoral de assistência aos necessitados e dos prisioneiros.

Morreu aos 43 anos de idade, em sua última missão em Louvesc, vítima de uma pleuresia.

Senhor Deus, nosso Pai, destes a São Francisco Régis a graça de servir o próximo com um zelo ardente e uma fé inabalável. Por sua intercessão, dai-nos um zelo ardente pela defesa de nossos valores culturais, morais e religiosos. Tornai-nos uma nação unida e fraterna. Amém.

Liturgia diária – 15/06/2012

Dia 15 de Junho – Sexta-feira

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS (Branco, Glória, Creio, Prefácio Próprio – Ofício da Solenidade)

Antífona da entrada: Eis os pensamentos do seu coração, que permanecem ao longo das gerações: libertar da morte todos os homens e conservar-lhes a vida em tempo de penúria (Sl 32,11.19)
Oração do dia
Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, alegrando-nos pela solenidade do Coração do vosso Filho, meditemos as maravilhas de seu amor e possamos receber, desta fonte de vida, uma torrente de graças. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (Oséias 11,1.3-4.8-9)
Leitura da profecia de Oséias. Assim diz o Senhor: 11 1 “Israel era ainda criança, e já eu o amava, e do Egito chamei meu filho. 3 Eu, entretanto, ensinava Efraim a andar, tomava-o nos meus braços, mas não compreenderam que eu cuidava deles. 4 Segurava-os com laços humanos, com laços de amor; fui para eles como o que tira da boca uma rédea, e lhes dei alimento. 8 Como poderia eu abandonar-te, ó Efraim, ou trair-te, ó Israel? Como poderia eu tratar-te como Adama, ou tornar-te como Seboim? Meu coração se revolve dentro de mim, eu me comovo de dó e compaixão. 9 Não darei curso ao ardor de minha cólera, já não destruirei Efraim, porque sou Deus e não um homem, sou o Santo no meio de ti, e não gosto de destruir”. Palavra do Senhor.
Salmo responsorial Is 12
Com alegria bebereis do manancial da salvação. Eis o Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; o Senhor é minha força, meu louvor e salvação.
com alegria bebereis no manancial da salvação e direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, entre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime.
Louvai, cantando, ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!”
Leitura (Efésios 3,8-12.14-19)
Leitura da carta de são Paulo aos Efésios. 3 8 A mim, o mais insignificante dentre todos os santos, coube-me a graça de anunciar entre os pagãos a inexplorável riqueza de Cristo, 9 e a todos manifestar o desígnio salvador de Deus, mistério oculto desde a eternidade em Deus, que tudo criou. 10 Assim, de ora em diante, as dominações e as potestades celestes podem conhecer, pela Igreja, a infinita diversidade da sabedoria divina, 11 de acordo com o desígnio eterno que Deus realizou em Jesus Cristo, nosso Senhor. 12 Pela fé que nele depositamos, temos plena confiança de aproximar-nos junto de Deus. 14 Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, 15 ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, 16 para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. 17 Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, 18 a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, 19 isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Palavra do Senhor.
Evangelho (João 19,31-37)
Aleluia, aleluia, aleluia. Tomai sobre vós o meu jogo e de mim aprendei, que sou manso e humilde de coração (Mt 11,29). Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João. 19 31 Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque já era a Preparação e esse sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. 32 Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados. 33 Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, 34 mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. 35 O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais. 36 Assim se cumpriu a Escritura: “Nenhum dos seus ossos será quebrado”. 37 E diz em outra parte a Escritura: “Olharão para aquele que transpassaram”. Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho

O Evangelho de João, que manifesta afinidade com os samaritanos remanescentes do antigo Israel, apresenta Jesus em conflito com o judaísmo em geral. A última ceia de Jesus, neste Evangelho, realizou-se um dia antes da ceia da Páscoa dos judeus. Com a expressão “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1), João apresenta o fim do ministério de Jesus como uma missão de amor pleno, e não como uma missão sacrifical. Com hipocrisia, os judeus se preocupam em retirar os corpos das cruzes, para não profanar o sábado. Os romanos só os retirariam mortos; assim, os judeus pedem que lhes quebrem as pernas para acelerar a morte. No sangue que sai do lado ferido de Jesus, temos a expressão do seu amor, em um dom sem limites; e, na água, temos a expressão da origem da vida nova no Espírito, doado por Jesus.

(O comentário litúrgico é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)

Sobre as oferendas
Considerai, ó Deus, o indizível amor do coração do vosso amado Filho, para que nossas oferendas vos agradem e sirvam de reparação por nossas faltas.  Por Cristo, nosso Senhor.
Prefácio próprio
(Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade) Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Elevado na cruz, entregou-se por nós com imenso amor. E, de seu lado aberto pela naca, fez jorar, com água e o sangue, os sacramentos da Igreja, para que todos, atraídos ao seu coração, pudessem beber, com perene alegria, na fonte salvadora. Por essa razão, agora e sempre, nós nos unimos à multidão dos anjos e dos santos, cantando (dizendo) a uma só…
Antífona da comunhão: Diz o Senhor: Se alguém tiver sede, venha a mim e beba. Daquele que crê em mim, brotarão rios de água viva (Jo 7,37s).
Depois da comunhão
Ó Deus, que este sacramento da caridade nos inflame em vosso amor e, sempre voltados para o vosso Filho, aprendamos a reconhecê-lo em cada irmão. Por Cristo, nosso Senhor.

15/06 – Luis Palazzolo (fund.) e S. Vito

luis-palazzolo-fundLuis Palazzolo (fund.)

Luís Palazzolo lembrado hoje, tornou-se para a Igreja um modelo de sacerdote, pois exerceu seu Ministério com heróica obediência, pobreza e humildade. Bem-Aventurado Luís Palazzolo nasceu em Bérgamo, Itália, em 1827; orfão de pai, muito cedo Luís foi educado somente pela mãe que no uso do amor e religião deu-lhe uma ótima formação. Devido suas condições sociais e capacidade humanas, poderia ter percorrido o caminho do profissionalismo, porém Jesus o chamou para ser um profissional só Dele, disto entrou para o Seminário e foi ordenado Sacerdote. Para se tornar um apóstolo moderno Luís teve uma grande consciência do papel do Sacerdote: “O padre deve amar e dar afeto especialmente aos pobres assim como fez Jesus”. Aconteceu que diversas regiões da Itália sofriam com guerras, calamidades públicas, pestes e outras desgraças, principalmente em Bérgamo onde estava o santo de hoje, sendo assim a Divina Providência pôde socorrer a muito através de Luís. Grande obras de caridade praticou em toda sua vida inclusive quando se desfez de uma herança familiar para ir ao encontro dos necessitados, isto por meio da fundação das Irmãs dos Pobres, amigos, escolas, orfanatos; até que aos 59 anos de idade entrou na Bem Aventuraça Eterna.

s-vitoS. Vito
São Vito nasceu na Sicília. Sua vida esta envolta em lendas e fatos extraordinários. Ele foi um dos santos mais populares da Idade Média. Testemunho disso é a sua inserção no limitado grupo dos Santos Auxiliadores (os catorze ou quinze, conforme os lugares).

De acordo com Atas do seu martírio, São Vito foi instruído secretamente na doutrina cristã por Modesto, seu preceptor, ao descobrir, seu pai, Hilas, tentou persuadir o filho a abandonar a fé, temendo que o fato viesse a público. O temor do pai acabou acontecendo: o garoto foi preso e levado perante o tribunal. Como continuou declarando-se cristão, foi açoitado e posto em liberdade. São Vito, Modesto e Crescência, sua ama-seca, fugiram de Sicília e alcançaram as costas de Nápoles, em Lucânia. Ficaram vagando as margens do rio Siluro, até que conseguiram chegar a Roma. Não demorou para novamente serem presos, açoitados e condenados às feras. Uma forte tempestade desabou sobre os espectadores, possibilitando a fuga dos prisioneiros para Lucânia.

A fama de São Vito chegou até aos ouvidos de Diocleciano, cujo filho estava doente epilético, doença então impressionante. São Vito foi a Roma, curou o moço e por recompensa foi torturado e jogado novamente no cárcere. Mas o anjo libertou-o novamente. Somente mais tarde sofreram o martírio sob o imperador romano Diocleciano.

São Vito é invocado contra a doença nervosa chamada coréia ou “dança de São Vito”, ou ainda “dança de são Guido”.

São Vito, talvez não tanto como menino nem como taumaturgo, continua estimulando a vivência cristã de tantos que leram seu nome.