03/11 – São Martinho de Porres

sao-martinho-de-porresSão Martinho de Porres

Martinho de Porres conviveu com a injustiça social desde que nasceu a 9 de dezembro de 1579 em Lima, no Peru. Filho de um cavaleiro espanhol e de uma ex-escrava negra do Panamá, foi rejeitado e não reconhecido nem pelo pai, nem pelos parentes. Viveu na mais completa pobreza até os oito anos, quando começou a dar a volta por cima em sua vida e em seu futuro.

Mas, aos quinze anos a vocação falou mais alto. Martinho, mais uma vez por causa da cor da pele, só a muito custo conseguiu entrar como agregado num convento dos dominicanos. Tanto se esforçou que acabou reconhecido como irmão leigo. Encarregava-se dos mais humilhantes trabalhos do convento e sua cela era um verdadeiro hospital para os pobres. Conhecedor profundo de ervas e remédios caseiros, devido à necessidade em que sempre viveu, socorria os doentes pobres da região, principalmente os negros como ele.

Martinho sempre teve um talento especial para a medicina e, graças a vizinhos, aprendeu os ensinamentos básicos de ambulatório, conseguindo depois trabalhar como barbeiro-cirurgião.

Às ervas juntava a fé e, durante uma peste epidêmica, curou milagrosamente todos os padres que caíram doentes e qualquer que procurasse o toque de suas mãos. Como são Francisco, tinha o dom divino de influenciar, dominar e comandar animais de todos os tipos, mesmo os ratos, que o seguiam a um simples chamado. Embora nunca tenha saído de Lima, há relatos de ter sido visto aconselhando e ajudando missionários na África, no Japão e até na China.

Quando morreu, em 1639, ao fim de uma vida inteira dedicada aos desamparados, tinha conseguido criar o primeiro colégio da América Latina totalmente dedicado às crianças pobres. Sua obra deixou marcas e sementes. Martinho foi beatificado em 1837 por Gregório XVI e canonizado pelo papa João XXIII em 1962. Em 1966, Paulo VI o proclamou padroeiro dos barbeiros.

02/11 – Comemoração de todos os fiéis falecidos

comemoracao-de-todos-os-fieis-falecidosComemoração de todos os fiéis falecidos

Para muitas pessoas, o dia de finados é uma data triste, que deveria ser excluída do calendário. Muitos, nesse dia, ficam depressivos ao se lembrar dos seus entes queridos que partiram desta vida. Alguns se isolam, outros viajam para esconder suas mágoas… Porém, poucos conseguem ver que o dia de finados deve ser um momento de reflexão acerca de como anda nossa conversão. Deve ser um dia de “fechamento para balanço”, daqueles em que se pára tudo, totaliza-se os lucros e os prejuízos e promete-se e permite-se vida nova.

Não podemos nos esquecer de que um dia estaremos também partindo desta vida. Não podemos ignorar isso pois, como um ladrão na noite, como diz o Evangelho, esse dia chega. Felizes aqueles que são pegos em oração, em dia com os Sacramentos.

Muitas pessoas lamentam a “perda” de um pai ou uma mãe e se esquecem de que eles fizeram apenas uma viagem distante e que lá estão nos aguardando. Partiram quando o Pai, transbordando de saudades, gritou: – Filho(a), há quanto tempo você está aí! Volta pra casa! – e assim foi feito.

Muitos, porém, desses que lamentam a perda de um ente querido, ao invés de serem verdadeiramente santos para, um dia voltarem a se encontrar com seus parentes e amigos que partiram desta vida, tomam um outro rumo, ora distanciando-se de Deus e da Sua Igreja ora vivendo uma fé morna, como diz Jesus.

Não percebem que, ao fazer isso, desperdiçam a única chance que têm de rever essas pessoas. É uma pena…

Neste dia 02 de novembro, que possamos verdadeiramente rever nossos sonhos, nossa vida, nossa fé e, pela glória de Deus, mudar de rumo, se necessário for.

01/11 – Todos os Santos

todos-os-santosTodos os Santos

Hoje a igreja comemora o dia de Todos os Santos. A origem da festa remonta ao século IV. Em Antioquia celebrava-se uma festa por todos os mártires do primeiro domingo depois de Pentecostes. A celebração foi introduzida em Roma na mesma data, no século VI. No ano de 835 esta celebração foi transferida pelo papa Gregório IV para 19 de Novembro.

Como Nosso Senhor Jesus Cristo, somos convidados a fazer de nossa vida uma eucaristia, uma oferta viva. Na Igreja antiga os Santos eram entregues às chamas, às feras, às torturas cruéis.

Hoje, os santos, por terem tido confiança, mas promessas de Cristo, lutando contra as seduções do mal e das dificuldades de suas vidas, alegram-se e exultam pela grande recompensa dada por um Rei incompreensivelmente misericordioso e generoso. A Igreja honra os santos com particular solenidade, pois se comprometeram com Deus Pai, em nome de Jesus, de maneira radical com Seu Reino de bondade, de Justiça e de Amor.

Que nós possamos lembrar sempre que a Intercessão dos Santos é uma dádiva divina, um tesouro. Também procuremos tomá-los como modelo de vida e santidade. Os Santos foram Homens e Mulheres como nós, que em busca da verdadeira felicidade, honraram e doaram suas vidas para a maior glória de Deus Nosso Senhor.

31/10 – Santa Mariana de Jesus e Santo Afonso Rodrigues

santa-mariana-de-jesusSanta Mariana de Jesus

Mariana de Jesus de Paredes y Flores nasceu em Quito a 31 de outubro de 1618. Tinha um nome genuinamente sul-americano e uma fé genuinamente santa. Foi criada por uma cunhada católica e, desde os oito anos, começou a levar uma vida de fé e religiosidade. Com esta idade fez a primeira comunhão e, antes dos doze, já fizera também o voto de castidade perpétua.

A partir desta idade levou uma vida de penitência e oração que não deixou de ter lances surpreendentes, tão inesperados quanto a paixão espontânea de sua fé. Para nunca perder a humildade, por exemplo, Santa Mariana colocou em seu quarto um caixão de defunto, do seu tamanho, cercado por velas. Deitada nele, uma boneca pobremente vestida e uma caveira no lugar da cabeça, para lembrar-lhe sempre da inutilidade do orgulho e das vaidades. Outro exemplo: mandou pintar um quadro em que se via uma moça com metade do rosto muito bonito e a outra metade corroída por vermes.

Parecem atitudes de alguém triste e cheio de idéias fúnebres, mas, ao contrário, Mariana era a alegria em pessoa junto aos familiares. Tocava gaita, cantava, dançava, animava as festas e era o membro mais querido da família. Todos os dias assistia a uma ou mais missas, visitava pobres e doentes. Assim, alcançou muitas graças e milagres.

Mariana tentava esconder suas penitências e só quando seus pais adotivos perceberam que estava fraca, quase à beira da morte, é que souberam que há anos ela se alimentava apenas com as hóstias da comunhão. Salvou-se por milagre.

Sua vida de santidade continuou, sempre tratando dos doentes mais repugnantes e dos pobres mais sujos e abandonados. Quando uma peste avassaladora caiu sobre Quito, lá estava ela sempre presente e atuante. Finalmente caiu doente e não pôde mais deixar o quarto, sendo assistida nos últimos seis anos de vida, e nos últimos suspiros, por seu diretor espiritual, um irmão da Companhia de Jesus.

Santa Mariana de Jesus adoeceu e morreu no dia 26 de maio de 1644, logo depois de participar da Santa Missa e de haver recebido a Unção dos Enfermos. Tinha 26 anos. Santa Mariana de Jesus foi canonizada em 9 de julho de 1950.

santo-afonso-rodriguesSanto Afonso Rodrigues

Santo Afonso Rodrigues, nasceu em Segóvia, na Espanha, a 25 de Julho de 1533. Educado no colégio jesuíta de Alcalá, teve de abandonar os estudos para tomar o lugar do pai no próspero e remunerado comércio de tecidos. Aos 27 anos casou-se. Em 1567 sua esposa morreu, seguida pouco depois pelos filhos. Provado pela dor, privado de interesses materiais, descuidou do comércio e endividou-se. Voltou à escola freqüentando com pouco sucesso os cursos de gramática e de retórica na universidade de Valência. Afonso então fechou-se definitivamente aos testes escolásticos para procurar somente nos livros de devoção o alimento de que precisava sua alma.

Em 31 de janeiro de 1571 no noviciado dos jesuítas, como irmão leigo, ficou seis meses em Valência para terminar o noviciado. Foi enviado ao colégio de Monte Sion em Palmas de Majorca, a ilha imersa na paz solar e tranqüila do Mediterrâneo. No exercício do seu humilde trabalho cotidiano de porteiro, assumido com a paciência e dedicação pelo resto de sua vida, Afonso se mostrou afável, caridoso e serviçal com todos, exercendo profícuo apostolado entre os que, com sempre maior freqüência, paravam na portaria do colégio para receber o conforto de uma palavra sua. A fama de sua santidade e os carismas com que Deus o dotara tinham atraído à escola do humilde irmão leigo, que tivera de interromper os estudos universitários pelo seu pouco aproveitamento, numeroso grupo de discípulos.

Santo Afonso Rodrigues morreu a 30 de Outubro de 1617. Foi canonizado a 15 de Janeiro de 1888, juntamente com São João Berchmans, foi indicado como exemplo de tenra devoção Mariana, expressa com a recitação diária do Rosário e do Oficio da Imaculada, devoção que freqüentemente era compensada com amáveis e extraordinárias intervenções de Nossa Senhora na vida deste grande santo espanhol.

30/10 – Restituta Kafka Irmã Maria Resoluta e São Geraldo

restituta-kafka-irma-maria-resolutaRestituta Kafka Irmã Maria Resoluta

No dia 1º de maio de 1894 nasceu Helene, filha de Anton e Maria Kafka na cidade de Brno, atual República Checa. Naquele tempo a região se chamava Morávia que estava sob o governo do imperador austríaco Francisco José. No ano de 1896, a família Kafka se transferiu para Viena, capital do Império.

Helene concluiu os estudos com o diploma de enfermeira e o desejo de se tornar religiosa. Inicialmente ela se conformou com a negativa dos pais, mas ao completar vinte anos, ingressou na congregação das Franciscanas da Caridade Cristã, com a benção da família. Como religiosa adotou o nome de sua mãe e o de uma mártir do primeiro século. Assim passou a se chamar irmã Maria Restituta.

Porém, logo recebeu o apelido carinhoso de “irmã Resoluta”, pelo modo cordial e decidido e por sua segurança e competência como enfermeira de sala cirúrgica e anestesista. No hospital de Modling, em Viena, a religiosa se tornou uma referência para os médicos, enfermeiras e especialmente para os doentes, aos quais soube comunicar com lucidez o amor pela vida, na alegria e na dor.

Irmã Restituta durante muitos anos serviu a Deus nos doentes, pelos quais se dedicou incansavelmente. Em março de 1938, Hitler mandou o exercito ocupar a Áustria. Viena se tornou uma das bases centrais do comando nazista alemão. Irmã Restituta se colocou logo contrária a toda aquela loucura desumana. Não teve receio de mostrar que sendo favorável à vida não apoiaria jamais ao nazismo de Hitler, fosse qual fosse o preço.

Por isto, quando os nazistas retiravam o Crucifixo também das salas de cirurgias, ela serenamente o recolocava no lugar, de cabeça erguida, desafiando o comando e os soldados nazistas. Como não se submetia e muito menos se “dobrava”, os nazistas a eliminaram. Foi presa em 1942. Para ela, que era chamada irmã “Resoluta”, a prisão se tornou uma espécie de lugar de graça, para honrar o nome com que se tinha consagrado: Restituta, aquela que foi restituída para Deus. Por isto, olhando para a força redentora da Cruz, sua consciência da Vida Eterna se tornou mais verdadeira no coração. A coragem que lhe era própria se tornou mais firme.

Irmã Resoluta esperou cinco meses na prisão para morrer. Em 30 de março de 1943, foi decapitada. Para as franciscanas mandou uma mensagem: “Por Cristo eu vivi, por Cristo desejo morrer”. E na frente dos assassinos nazistas, antes que o carrasco levantasse a mão que a mataria, irmã Restituta disse ao capelão: “Padre, me faça na testa o sinal da Cruz”.

O papa João Paulo II elevou a Irmã Maria Restituta Kafka ao altar para ser reverenciada como Beata no dia 30 de outubro, em 1998 em Viena, Áustria.

sao-geraldoSão Geraldo

São Geraldo, era natural de Placência e transferiu-se para Potenza. No Martirológio Romano, é fixada a memória de São Geraldo, bispo de Potenza, na Lucânia. Foi escolhido bispo por suas virtudes. Morreu apenas oito anos após sua escolha ao episcopado. Seu sucessor, Manfredo, escreveu-lhe uma vida. Mas existe outro Geraldo, também ele de Potenza, que teve fama bem superior ao bispo medieval. Trata-se de São Geraldo Majela, um dos santos mais populares da Itália meridional. E há motivo para esta popularidade: ele era invocado sobretudo pelas gestantes ou parturientes.

Sua vida esta repleta de privações, de sofrimentos, de humilhações, mas tudo está profundamente animado, finalizado com um encontro vivo e pessoal com Deus. São Geraldo em seu leito de morte podia afirmar não saber nem o que fosse uma tentação impura, tinha sobre a mulher uma concepção superior: olhava toda mulher como uma imagem de Nossa Senhora, “Louvor perene à Santíssima Trindade”. Eram entusiasmos místicos de uma alma simples, mas cheia de amor espiritual. Exclamava frequentemente “Meu querido Deus, meu Espirito Santo”, sentindo íntimos a ele a bondade e o amor infinitos de Deus.

29/10 – São Caetano Errico e São Narciso

sao-caetano-erricoSão Caetano Errico

A cidade de Secondigliano, grande e populosa do norte de Nápoles, Itália, é mais conhecida como uma região de mafiosos do que de santos.

Os problemas dos seus habitantes são inúmeros. Dentre os principais está a “Camorra”, uma facção da máfia, e outro que se chama degradação das estruturas, dos serviços e da consciência. Essa degradação é mais acentuada nas partes extremas da cidade, local predileto dos traficantes de drogas, mafiosos e das ganges.

Mas Secondigliano é também a terra de um santo. Trata-se do sacerdote Gaetano Errico, fundador da congregação “Missionários do Sagrado Coração de Jesus e de Maria”, canonizado em Roma pelo papa João Paulo II, em 2002.

A estátua de padre Gaetano é bem visível e está posicionada para ser vista de qualquer ângulo da cidade. Com a mão direita, ele abençoa, e com a mão esquerda, empunha o crucifixo.

A sua figura é imponente, mas não apenas por se tratar de uma estátua. Padre Gaetano era realmente grande, alto e bem forte, um gigante na santidade e na figura humana.

Em 1791, Secondigliano era chamada de Casale Reggio da Cidade de Nápoles, uma planície com ar muito puro, porém muito úmido ao cair do sol. Quando nasceu, em 19 de outubro de 1791, seu pai pressentiu que nascia um futuro apóstolo do povo. O segundo de nove filhos, Gaetano entra com 16 anos no seminário e, em 23 de setembro de 1815, é ordenado sacerdote. A sua vida sacerdotal transcorrera toda nessa cidade, na igreja paroquial de São Cosme e Damião.

Em 1818, durante a pregação, tem uma aparição de Santo Afonso que lhe comunica que Deus o quer fundador de uma Congregação religiosa.

O início se dá com a construção de uma igreja dedicada à Nossa Senhora das Dores. Entre mil dificuldades, a igreja é construída e abençoada no ano de 1830. Apenas cinco anos mais tarde, a imagem de madeira de Nossa Senhora das Dores é adquirida e colocada no altar, onde permanece até hoje. Além da igreja, padre Gaetano se divide com o trabalho para a construção da casa que abrigaria a Congregação. Essa seria instituída em honra do sagrado coração de Jesus e Maria e que empenharia padre Gaetano até o fim, quando morre aos 69 anos, em 29 de outubro de 1860.

Padre Gaetano Errico foi homem de oração (passava horas ajoelhado na igreja ou no seu quarto diante da escrivaninha), de penitência, de constante serviço aos deveres espirituais (dedicava muito tempo às confissões), e materiais das pessoas de Secondigliano.

Hoje essa herança é distribuída através dos sacerdotes missionários dos sagrados corações. A memória e veneração ao padre Gaetano é ainda muito presente e forte na cidade. O trabalho social e espiritual criado em torno da Congregação é conhecido e testemunhado por todos da comunidade e de outras. Os sacerdotes e os voluntários leigos ajudam os carentes e excluídos para que reencontrem sua dignidade, com o mesmo espírito de padre Gaetano, ou seja, com seu grande amor ao ser humano, com o verdadeiro desejo aceso de sua reconstrução interior.

O culto e as graças atribuídas ao padre Gaetano se fez forte, vigoroso e rapidamente antes mesmo de estar em seu leito de morte. No interior da matriz da Congregação foi feito um Museu para abrigar as várias peças testemunhais, relatos escritos e relíquias legadas a ele ainda em vida, pelas graças alcançadas.

E hoje a comunidade secondigliana já está acostumada com a imagem de santo Gaetano, exposta no altar da igreja de Nossa Senhora das Dores. A exposição deveria ser temporária, até que a imagem fosse transferida para o Museu, mas o povo não quer se separar dela. Querem que fique lá, pois assim podem tocá-la sempre.

sao-narcisoSão Narciso

Os registros da Igreja revelam que na diocese de Jerusalém houve um Bispo que foi eleito com quase cem anos de idade. E que ele teria morrido com mais de cento e dezesseis anos. Um fato raro na História da Igreja Católica. Trata-se de Narciso que não era judeu e teria nascido no ano 96. A lembrança que se guardou dele é a de um homem austero, penitente, humilde, simples e puro. Também que desde a infância demonstrando apego à religião esperou a idade necessária para se tornar sacerdote.

Fez um trabalho tão admirável, amando os pobres e doentes, que a população logo o quis para conduzir a paróquia de São Tiago. Como Bispo, a idade não pesou, governou com firmeza e um longo período marcado por atuações importantes e vários milagres. Presidiu o Concilio onde se decidiu que a Páscoa devia cair no domingo. Conta-se que foi também na véspera de uma festa de Páscoa, que Narciso transformou água em azeite para acender as lamparinas da igreja que estavam secas.

Entretanto um fato marcou tragicamente a vida de Narciso. Ele foi caluniado, sob juramento, por três homens. Um deles disse que podia ser queimado vivo se estivesse mentindo. O outro, que podia ser coberto pela lepra se a acusação não fosse verdadeira. Já o terceiro empenhou a própria visão no que dizia. Embora perdoasse seus detratores, o inocente Bispo preferiu se retirar para o isolamento de um deserto. Mas não tardou para que os caluniadores recebessem seu castigo. Um morreu num incêndio no qual pereceu também toda sua família. O outro ficou leproso e o terceiro chorou tanto em público, arrependido do crime cometido, que ficou cego.

O Bispo Narciso não foi encontrado para reassumir seu cargo e todos pensaram que tinha morrido. Assim, dois outros Bispos o sucederam. Quando o segundo morreu, Narciso reapareceu na cidade. O povo o acolheu com aclamação e ele foi recolocado para liderar a diocese novamente.

A última notícia que temos desse Bispo de Jerusalém está numa carta escrita por Santo Alexandre, na qual cita que o longevo Bispo Narciso tinha completado cento e dezesseis anos, e, como ele, exortava para que a concórdia fosse mantida.

28/10 – Santo Simão e São Judas Tadeu

santo-simaoSanto Simão

Simão é, talvez, o mais desconhecido dos apóstolos. Aliás, na Bíblia inclusive recebeu apelidos para ser diferenciado de Simão Pedro. Ele é chamado de Simão, “o cananeu”, pelos apóstolos Mateus (10, 4) e Marcos (3,18). Alguns estudiosos cristãos entendem que este “cananeu” pode ser uma referencia à Canaã, a terra de Israel.

Mas quando Lucas no seu evangelho o chama de “o zelote” (Lc 6, 15) parece querer indicar que Simão pertencera ao partido judeu radical que tinha o mesmo nome. Os radicais zelotes pregavam a luta armada contra os dominadores. Como se vê, Jesus queria mesmo um colegiado de doze apóstolos que representassem todas as correntes políticas e religiosas da época.

Sabe-se que Simão, como todos os outros apóstolos dos primeiros tempos do cristianismo,
depois do Pentecostes percorreu caminhos pregando o evangelho sem nada levar consigo. Operou muitos milagres, curou enfermos, limpou leprosos e expulsou espíritos maus.

Conta uma antiga tradição que Simão encontrou-se com o apostolo Judas Tadeu na Pérsia e desde então viajaram juntos. Percorreram as doze províncias do império persa, deixando o conhecimento histórico e religioso como foi encontrado num antigo livro da época chamado “Atos de Simão e Judas”, de autor desconhecido. Nele consta que no dia 28 de outubro do ano 70, houve o assassinato dos dois apóstolos a mando dos sacerdotes pagãos, preocupados com a eloqüência das pregações que convertiam multidões inteiras.

Outras fontes falam da pregação de Simão também no Egito, Líbia e Mauritânia. Segundo Eusébio, idôneo e célebre historiador, Simão teria sido o sucessor de Tiago na cátedra de Jerusalém, nos anos da trágica destruição da cidade santa.

Conforme um antigo registro atribuído ao famoso historiador Egesipo, Simão teria sido martirizado no ano 107 durante o governo do imperador Trajano, tinha então cento e vinte anos de idade.

sao-judas-tadeuSão Judas Tadeu

Judas, apóstolo que celebramos hoje, para não ser confundido com Judas Iscariotes, “apóstolo da perdição”, o traidor de Jesus, foi chamado nos evangelhos de Judas Tadeu. O nome Judas vem de Judá e significa: festejado. Tadeu, quer dizer: peito aberto, destemido, melhor ainda, magnânimo.

Era natural de Caná da Galiléia, na Palestina. E filho de Alfeu também chamado Cléofas e de Maria Cléofas, ambos parentes de Jesus. O pai, Alfeu, era irmão de São José; a mãe, Maria Cléofas, prima irmã de Maria Santíssima. Portanto, Judas era primo irmão de Jesus e irmão de Tiago, chamado o Menor, também discípulo de Jesus. Os escritos cristãos dessa época revelam mesmo esse parentesco, uma vez que Judas Tadeu seria um dos noivos do episódio que relata as bodas de Caná e, por isso, Jesus, Maria e os apóstolos estariam lá.

Na Bíblia ele é citado pouco, mas de maneira importante. No evangelho de Mateus, 10,4 vemos que Judas Tadeu foi escolhido por Jesus. Enquanto nas escrituras de João, ele é narrado mais claramente (Jo 14,22). Na ceia, Judas Tadeu perguntou a Jesus: “Mestre, por que razão deves manifestar-te a nós e não ao mundo?” Jesus lhe respondeu que a verdadeira manifestação de Deus está reservada para aqueles que o amam e guardam a sua palavra. (Jo 14,23). Também faz parte do Novo Testamento a pequena Carta de São Judas, a qual traz os fundamentos para perseverar no amor de Jesus e adverte contra os falsos mestres.

Após ter recebido o dom do Espírito Santo, Judas Tadeu iniciou sua pregação na Galiléia. Realizou inúmeros milagres em sua caminhada pelo evangelho. Depois foi para a Samaria e próximo do ano 50, tomou parte no primeiro Concílio, em Jerusalém. Em seguida, continuou a evangelizar na Mesopotâmia, Síria, Armênia e Pérsia, onde encontrou Simão, e passaram a viajar juntos.

Conta a tradição que percorreram juntos as doze províncias do império persa, nas quais converteram muitos pagãos. Ainda segundo essa fonte os dois apóstolos foram torturados e mortos no mesmo dia, por pagãos perseguidores. Por isso a Igreja manteve a mesma data para as duas homenagens. Ao certo o que sabemos é que o apóstolo Judas Tadeu se tornou um mártir da fé, isto é morreu por amor a Jesus Cristo. A sua pregação e o seu testemunho eram tão intensos que pagãos se convertiam. Os sacerdotes pagãos furiosos mandaram assassinar o apóstolo, a golpes de bastões, lanças e machados. Tudo teria acontecido no dia 28 de outubro de 70.

Os restos mortais, guardados primeiro no Oriente Médio e depois na França, agora são venerados em Roma, na Basílica de São Pedro. Considerado pelos cristãos o Santo intercessor das causas impossíveis, foi a partir da devoção de Santa Gertrudes que essa fama ganhou força no mundo católico. Ela em sua biografia relatou que Jesus lhe aconselhou invocar São Judas Tadeu até nos “casos mais desesperados”. Depois disso aumentou o número de devotos do seu poder de resolver as causas que parecem sem solução. Diz a tradição que não há um devoto que tenha pedido sua ajuda e não tenha sido atendido.

A festa de São Judas Tadeu é celebrada no dia 28 de outubro, tanto na Igreja ocidental como na oriental. No Brasil é um evento que altera toda a rotina do país, pois são multidões de católicos que querem agradecer e celebrar o querido santo padroeiro nas igrejas.

27/10 – Santo Elesbão e São Frumêncio

santo-elesbaoSanto Elesbão

No século VI a nação etíope situada a oeste do Mar Vermelho possuía seus maiores limites de fronteira, era um vasto reino que incluía outros povos além dos etíopes. O soberano era Elesbão, rei católico, contemporâneo do imperador romano Justiniano, muito estimado por todos os súditos e seu reino era uma fonte de propagação da fé cristã.

O reino vizinho, formado pelos hameritas, era chefiado por Dunaan, que renegara a fé convertendo-se ao judaímo. Nesta ocasião mandou matar todos os integrantes do clero e transformou as igrejas em sinagogas, tornando-se temido e famoso por seu ódio declarado aos cristãos.

Por isso, muitos deles, inclusive o arcebispo Tonfar, buscaram abrigo e proteção nas terras do rei Elesbão, pois até a própria esposa de Dunaan, chamada Duna foi morta por ele, juntamente com as filhas, por ser cristã. Os registros indicam que houve um verdadeiro massacre onde morreram cerca de quatro mil cristãos.

Elesbão decidiu reagir àquela verdadeira matança imposta aos irmãos católicos e declarou guerra a Dunaan. Liderando seu povo na fé e na luta, ganhou a guerra e a vizinhança passou a ser governada pelo rei Ariato, um cristão fervoroso.

Mas ele teve de vencer outra batalha ainda maior além dessa travada contra o inimigo, aquela contra si mesmo. Depois de um curto período de muita oração e penitência, aceitou o chamado de Deus. Abdicou do trono em favor do filho, seu sucessor natural, e dividiu seus tesouros entre os súditos pobres. Assim Elesbão partiu para Jerusalém, onde depositou sua coroa real na igreja do Santo Sepulcro e se retirou para dentro do deserto, vivendo como monge anacoreta, até morrer em 555.

No Brasil, a partir dos escravos, foi muito difundida a devoção de Santo Elesbão, o rei negro da Etiópia. Sua festa é celebrada em todo o mundo cristão, do ocidente e do oriente, no dia 27 de outubro, considerado o de sua morte.

sao-frumencioSão Frumêncio

Frumêncio foi o primeiro bispo missionário da Etiópia. Mas, até que isso acontecesse, sua vida foi marcada por lances inesperados. Estes o levaram de discípulo de filósofo a conselheiro do rei, preferido da rainha, professor do futuro rei e, finalmente, bispo.

Era o tempo do imperador Constantino e Frumêncio estava entre os discípulos na comitiva que acompanhava um filósofo. Voltavam de uma viagem à Ìndia e a embarcação parou no porto de Adulis. Foram atacados então por ladrões etíopes que saquearam o barco e mataram todos os passageiros e tripulantes. Todos foram mortos, menos Frumêncio e outro adolescente, Edésio. Eles não morreram por um motivo prosaico: estavam sob uma árvore, entretidos na leitura de um livro. Sobreviveram, mas foram levados ao rei como escravos.

Depois de conversar com eles e se admirar com sua sabedoria, o rei Axum resolveu mantê-los no palácio. Edésio como copeiro e Frumêncio como secretário direto. Sua influência cresceu na corte, principalmente junto à rainha que, ao tornar-se viúva e assumir o poder, entregou-lhe a educação de seu filho, futuro rei. Tempos depois, Frumêncio e seu companheiro conseguiram da rainha ordem para construir uma igreja próxima ao porto. Foi uma semente que germinou rápido na expansão do cristianismo.

Tiveram permissão, então, de voltar à pátria. Findo o tempo da escravidão, enquanto Edésio se dirigia a Tiro, onde um historiador registrou toda a aventura, Frumêncio foi a Constantinopla. Queria que o bispo Atanásio designasse um bispo missionário para comandar a pregação católica na Etiópia. Atanásio não se fez de rogado e nomeou o próprio Frumêncio. Reinava então na Etiópia o rei Exana, grande amigo de Frumêncio e um dos primeiros a se converter, convencendo todo o povo a acompanhá-lo.

São Frumêncio, chamado pelos etíopes de “Abba Salama”, levou sua missão de missionário até os cem anos de idade.

26/10 – Santo Evaristo

santo-evaristoSanto Evaristo

No atual Anuário dos Papas encontramos Evaristo em pleno comando da Igreja católica, como quarto sucessor de Pedro, no ano 97. Era o início da era cristiã e, portanto, muito compreensível que haja tão poucos dados sobre ele.

Enquanto do anterior, Papa Clemente, temos muitos registros, inclusive de próprio punho como a célebre carta endereçada aos cristãos de Corinto. Do Papa Evaristo nada temos escrito por ele mesmo, as poucas informações vieram de Irineu e Eusébio, dois ilustres e expressivos Santos venerados no mundo católico.

Naqueles tempos o título de “Papa” era dado a toda e qualquer autoridade religiosa, passando a designar o chefe maior da Igreja somente no século VI. Por essa razão as informações, às vezes, se contradizem. Mas Santo Eusébio se mostra muito firme e seguro ao relatar Evaristo como um grego vindo da Antioquia.

Ele governou a Igreja durante nove anos, nos quais promoveu três ordenações consagrando dezessete sacerdotes, nove diáconos e quinze bispos, destinados a diferentes paróquias.
Foi de sua autoria a divisão de Roma em vinte e cinco dioceses, a criação do primeiro Colégio dos Cardeais. Parece que também foi ele que instituiu o casamento em público, com a presença do sacerdote.

Papa Evaristo morreu em 105. Uma tradição muito antiga afirma que ele teria sido mártir da fé durante a perseguição imposta pelo imperador Trajano, e que depois seu corpo teria sido abandonado perto do túmulo do apóstolo Pedro. Embora a fonte não seja precisa, assim sua morte foi oficialmente registrada no Livro dos Papas em Roma.

25/10 – São Crispim e São Crispiniano e São Frei Galvão

sao-crispim-e-sao-crispinianoSão Crispim e São Crispiniano

Crispim e Crispiniano eram irmãos de origem romana Cresceram juntos e se converteram ao cristianismo na adolescência. Ganhando a vida no oficio de sapateiro eram muito populares, caridosos e pregavam com ardor a fé que abraçaram. Quando a perseguição aos cristãos ficou mais insistente os dois foram para a Gália, atual França.

As tradições seculares contam que durante a fuga, na noite de Natal, os irmãos Crispim e Crispiniano batiam as portas buscando refúgio, mas ninguém os atendia. Finalmente foram abrigados por uma pobre viúva que vivia com um filho. Agradecidos à Deus, quiseram recompensá-la fazendo um novo par de sapatos para o rapazinho.Trabalharam rápido e deixaram o presente perto da lareira. Mas antes de partir, enquanto todos ainda dormiam, Crispim e Crispiniano rezaram pedindo amparo da Providência Divina para aquela viúva e o filho. Ao amanhecer viram que os dois tinham desaparecido e encontraram o par de sapatos cheio de moedas.

Quando alcançaram o território francês os dois irmãos se estabeleceram na cidade de Soissons. Alí seguiram uma rotina de dupla jornada, isto é, de dia eram missionários e a noite, ao invés de dormir, trabalhavam numa oficina de calçados para se sustentar e continuar fazendo caridade aos pobres. Quando a cruel perseguição imposta por Roma chegou em Soissons, era época do imperador Diocleciano e a Gália estava sob o governo de Rictiovaro. Os dois irmãos foram acusados e presos. Seus carrascos os torturaram até o limite, exigindo que abandonassem publicamente a fé cristã. Como não o fizeram, foram friamente degolados, ganhando a coroa do martírio.

O Martirológio romano registra que as relíquias dos corpos desses dois nobres romanos mártires estavam sepultadas na belíssima igreja de Soissons, construída no século VI . Depois, parte delas foi transportada para Roma onde foram guardadas na igreja de São Lourenço da via Panisperna.

A Igreja celebra os Santos Crispim e Crispiniano como padroeiros dos sapateiros no dia 25 de outubro. Essa profissão, uma das mais antiga da humanidade, era muito descriminada, por estar sempre associada ao trabalho dos curtidores e carniceiros. Mas o cristianismo mudou a visão e ela foi resgatada graças o surgimento dos dois santos sapateiros, chamados de mártires franceses.

sao-frei-galvaoSão Frei Galvão

A Terra

Frei Antônio de Sant’Anna Galvão nasceu em Guaratinguetá. A cidade, que se localiza no estado de São Paulo, no Vale do Paraíba, entre a serra do Mar e a serra da Mantiqueira, teve sua origem em uma pequenina capela erguida em louvor a Santo Antônio, pelos idos de 1630. O povoado que se desenvolveu em torno dessa capela transformou-se, em 1651, na Vila de Santo Antônio de Guaratinguetá que, no correr dos anos, seria palco de importantes acontecimentos em sua vida religiosa.

Do ano de 1717, ficou guardada a lembrança do encontro, nas águas do rio Paraíba, à altura do Porto de Itaguaçu, no “termo da Vila”, da imagem de Nossa Senhora da Conceição, a Senhora Aparecida, que é Padroeira do Brasil.Pouco tempo depois, quando corria o ano de 1739, nascia na Vila, o menino Antônio Galvão de França. Seu batizado se deu na Igreja Matriz, atual Catedral, que foi erguida no lugar da primitiva capela, sempre sobre a invocação do franciscano Santo Antônio, de quem, diz a tradição, Frei Galvão herdou os dons e a santidade.

Frei Antônio de Sant’Anna Galvão foi o primeiro dos nascidos no Brasil a ser apresentado à veneração e à imitação de todos. Mais do que isso, porém, há muito sem memória estava fortemente plantada no coração de sua gente. Não apenas de seus contemporâneos, de cuja sorte participou, mas de todos que, durante mais de séculos, o consideram como alguém muito familiar e querido. Quando, em 25 de outubro de 1998, foi solenemente apresentado pela Igreja, há muito já era venerado pelos brasileiros, e seus milagres e graças eram conhecidos por todos.

A infância

Antônio era o quarto entre os dez filhos do comerciante e Capitão-mor de Guaratinguetá Antônio Galvão de França, natural de Faro, em Portugal, e de D. Isabel Leite de Barros, descendente de bandeirantes paulistas, nascida na Fazenda dos Correas, em Pindamonhangaba.

O menino cresceu no seio de uma família católica, na casa – hoje reconstruída – que se situava à esquina das antigas ruas do Hospital e do Teatro, atualmente ruas Frei Galvão e Frei Lucas. Nesse lar, a imagem de Sant’Anna, em seu oratório, costumava reunir todas as noites, à luz das velas, o Capitão-mor, sua mulher e seus filhos, para as oraçõese as novenas.

Foi certamente nessas noites de preces que o menino Antônio robusteceu sua fé e sua vocação para a vida religiosa. Narram as crônicas que, ainda criança, Antônio já sabia dar não somente atenção mas, igualmente, muitas esmolas aos pobres que o procuravam

Os estudos

Atendendo a seus dotes pessoais e a sua manifesta vocação para a vida religiosa, quando tinha 13 anos, Antônio Galvão de França foi encaminhado pelos pais para o Seminário de Belém, na cidade de Cachoeira, na Bahia.

Fundado pelo Padre Jesuíta Alexandre de Gusmão, o Seminário de Belém era então famoso pelo alto nível de seu ensino. Todavia, devido ao fechamento desse Seminário pelo retorno do Jesuíta para Portugal, Antônio, então com 16 anos, retornou para Guaratinguetá, onde não mais encontrou sua mãe, que havia falecido dois anos antes. atendendo a seu temperamento voltado à prática do bem, ingressou então no Convento Franciscano de São Boa Ventura de Macacu, em Itaboraí, na Capitania do Rio de Janeiro, onde adotou, para sua vida religiosa, o nome de Antônio de Sant’Anna Galvão, em homenagem à santa da devoção de sua família.

Sua profissão na Ordem Franciscana se deu em 1761, tendo, no ano seguinte, se ordenado sacerdote na cidade do Rio de Janeiro. A seguir, transferiu-se para o Convento de São Francisco, em São Paulo, onde foi admitido para terminar seus estudos de filosofia. na jornada que empreendeu do Convento do Rio de Janeiro para o de São Paulo, Frei Antônio de Sant’Anna Galvão se deteve em Guaratinguetá, para celebrar, na sua terra natal, “a primeira missa, a principal, para gáudio geral” de sua família e de todos que acorreram à cerimônia, realizada na Matriz de Santo Antônio, onde ele havia sido batizado. Tinha, asim, início o seu santo sacerdócio.

O Sacerdote

Um dos primeiros atos de Frei Galvão como sacerdote foi de fazer sua consagração como “servo e escravo” de Nossa Senhora, ato que assinou com seu próprio sangue na data de 9 de março de 1776. Esse episódio, dois séculos mais tarde, foi reproduzido em um quadro a óleo, de autoria do franciscano Frei Geraldo Roderfeld, que se acha em exposição no Hospital e Maternidade Frei Galvão, de Guaratinguetá.

Em São Paulo logo se destacaram os dotes de oratória de Frei Galvão, que foi eleito pregador, confessor de seculares, porteiro e confessor do Recolhimento de Santa Teresa.

Apresentou, nesses misteres, um desempenho tão destacado, que a Câmara Municipal não demorou em considerá-lo “um novo esplendor do Convento”.

Como pregador, Frei Galvão sempre demonstrou extraordinário brilho e zelo no anúncio da Palavra de Deus. Por onde andava, pelo interior do Estado e, em especial, pelo Vale do Paraíba, os vigários e os fiéis o aguardavam com ansiedade e disputavam sua presença para ouvirem seus sermões famosos. E Frei Galvão “pregava, confessava, aconselhava, atendia os doentes, deixando por toda a parte a fama de santo”. Existe uma mesa, que se encontra atualmente na Sala das Relíquias, na casa de Frei Galvão, em Guaratinguetá, vinda da igreja Matriz de São Luiz do Paraitinga, que nessa cidade foi usada por Frei Galvão como púlpito, para falar à grande multidão que acorria para ouvi-lo.

Há “quem vislumbre nesta mesinha, corroída, sinais dos pés do famoso pregador e missionário…”, fato que é documentado em livros e vem certificado por antigo vigário daquela Paróquia.

O poeta

Quando em São Paulo foi fundada sua primeira Academia de Letras, que ficou conhecida como a Academia dos Felizes, por seus dotes literários e de orador famoso, por seu amor à natureza e às letras, notadamente à poesia, frei Galvão foi convidado a dela participar. Por obediência ao fundador da Academia, que era o Morgado de Mateus, que então governava a Capitania de São Paulo, Frei Galvão aceitou o convite.

Na segunda sessão literária, realizada em março de 1770, Frei Galvão declamou com sucesso, em latim, dezesseis peças de sua autoria, todas dedicadas a Sant’Anna, além de dois hinos, uma ode, um ritmo e doze epigramas. São composições bem metrificadas segundo as regras clássicas, e repassadas de profundo sentimento religioso e patriótico

Mosteiro da Luz

Uma das grandes realizações de Frei Galvão foi a construção do Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição da Luz, erguido a partir de uma capelinha quinhentista. A história desse convento, iniciado em 1774, viria a se confundir com a própria vida de Frei Galvão.

Para angariar os fundos necessários à construção do Mosteiro, que é atualmente um dos mais importantes documentos vivos do passado colonial paulista, nosso Frade iria percorrer, quase sempre a pé, todo o território paulista conhecido na época.

A Frei Galvão, como arquiteto, deve-se um documento tão interessante quanto importante: trata-se do frontispício da Igreja da Luz, riscado – e ainda existente – na parede de taipa de sua cela, no mosteiro. Mas a obra de Frei Galvão se estende muito além da arquitetura do prédio. Ela se faz presente notadamente na orientação espiritual dada às primeiras Irmãs, e na criação do Estatuto da Ordem Concepcionista, onde “se entrelaçam o carisma franciscno e o ideal concepcionista”.

Na igreja do Mosteiro da Luz, que se localiza na atual Avenida Tiradentes, nº 676, na capital paulista, está o túmulo de Frei Galvão, aí falecido a 23 de dezembro de 1822, com fama de santidade. Esse túmulo é visitado diariamente por seus inúmeros devotos, que sobre ele deixam os pedidos e as flores de agradecimento pelas graças alcançadas.

A obra monumental edificada por Frei Galvão há mais de dois séculos continua, entretanto, a se expandir até os nossos dias, com a fundação de outros vários conventos.

Datado de 1811, foi erguido em Sorocaba, sob as vistas do próprio Frei Galvão, o Recolhimento de Santa Clara. Em Guaratinguetá, vewm de 1944 o Mosteiro da Imaculada Conceição, que até nossos dias segue despertando vocações.

Localiza-se atualmente nas proximidades do Seminário Seráfico Frei Galvão, da ordem franciscana. Também no Vale do Paraíba, em Taubaté, fica o Mosteiro da Imaculada Conceição de Santa Beatriz.
Thereza Regina de Camargo Maia – Diretora do Museu Frei Galvão